Rio Branco, Acre, 30 de julho de 2021

EUA dizem que vacinados não precisam mais de máscara nem de distanciamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A volta à vida normal está mais próxima -nos Estados Unidos. Nesta quinta-feira (13) as autoridades de saúde americanas anunciaram que em quase todas as circunstâncias o uso de máscaras e o respeito ao distanciamento social não são mais necessários para as pessoas que foram completamente vacinadas contra a Covid-19.

Carregada de simbolismo, a decisão abre caminho para a reabertura completa dos EUA, 16 meses depois da confirmação do primeiro caso de coronavírus no país.

Sem máscara e sorridente num pronunciamento na Casa Branca, o presidente Joe Biden chamou a atenção para a importância do esforço coletivo dos americanos e disse que o país está “vendo os resultados” da campanha de imunização que já aplicou 264,7 milhões de doses.

“Vocês fizeram o que eu considero ser a sua tarefa patriótica”, disse ele, repetindo o tom nacionalista que usou no primeiro discurso ao Congresso, em abril. “Os americanos nunca decepcionaram seu país.”

Biden reforçou, no entanto, que ainda é preciso vencer a resistência dos que não foram aos postos de vacinação para ampliar a proteção. “O mais seguro para o país é que todos estejam vacinados.”

Tirando do bolso um papel com o número de americanos mortos pela Covid-19 -583.210 nesta quinta-feira-, o democrata prestou homenagem às vítimas e se dirigiu às famílias em luto. “Vai chegar o dia em que a memória do familiar que você perdeu vai trazer um sorriso ao seu rosto.”

Em entrevista coletiva mais cedo, a médica Rochelle Walensky, diretora do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), havia formalizado o relaxamento das regras, dizendo que quem está completamente vacinado “pode voltar a fazer as coisas que deixou de fazer por causa da pandemia”.

“Todos nós ansiamos por este momento em que possamos voltar a algum senso de normalidade”, completou.

Apesar da liberação, há algumas exceções. O uso de máscaras continua recomendado em transportes públicos fechados (como aviões), aeroportos, estações de metrô, asilos, prisões, hospitais e consultórios médicos, por exemplo. E pessoas que estejam com o sistema imunológico comprometido devem consultar um médico antes de aderir às novas regras.

Além disso, o CDC informou que a população deve continuar seguindo as regras das autoridades locais –se uma pessoa mora em uma cidade em que a máscara é obrigatória, ela deve usar o equipamento, independente da recomendação do governo federal.

Nas últimas semanas, a agência vinha sendo pressionada –por políticos, empresários, médicos e autoridades de saúde– para relaxar as medidas sanitárias para quem já se vacinou. O argumento é que as diretrizes anteriores, que recomendavam o uso da máscara em quase todos os ambientes, acabavam desestimulando a imunização –já que os vacinados continuavam com as mesmas restrições.

Segundo Walensky, novos estudos publicados nos EUA e em Israel na última semana mostraram que de fato o uso do equipamento e das regras de distanciamento não é mais necessário por quem se vacinou.

Além de confirmarem a eficácia dos imunizantes, esses levantamentos mostraram que as vacinas são eficazes contra as novas variantes do coronavírus e que praticamente não há casos de pessoas que foram contaminadas após receberem todas as doses. Os médicos do CDC citaram ainda que o número de casos e de mortes causadas pela Covid-19 tem caído nos EUA, outra evidência de que a imunização está funcionando.

Mesmo com todos esses avanços, as autoridades sanitárias afirmaram que o relaxamento das regras é apenas provisório –se os números voltarem a piorar, o CDC poderá impor novamente o uso das máscaras e as regras de distanciamento.
A expectativa das autoridades é que a medida também estimule a população a tomar as vacinas contra a Covid-19. Atualmente, 154 milhões de americanos (o equivalente a 46% da população do país) tomaram ao menos uma dose, enquanto 117,1 milhões estão completamente imunizados (35%).

O número de pessoas imunizadas por dia, porém, tem caído desde que atingiu o pico de 3,38 milhões em meados de abril. Atualmente, 2,16 milhões de doses estão sendo aplicadas diariamente no país.

Os EUA atualmente utilizam três vacinas diferentes: a da Pfizer e a da Moderna (que necessitam de duas doses) e a da Johnson & Johnson (de dose única). Uma pessoa só é considerada completamente imunizada duas semanas depois de concluir a aplicação.

Em comparação, no Brasil atualmente 15,68% da população recebeu alguma dose da vacina. Embora não exista uma ordem federal recomendando o uso de máscara, diversos estados e municípios brasileiros têm regras próprias que obrigam o uso do equipamento. A maior parte dos médicos também segue recomendando seu uso, mesmo entre quem já recebeu os imunizantes.

Com informações Folhapress

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!