Rio Branco, Acre, 20 de junho de 2021

Funcionários públicos do AC são presos por transporte ilegal de gados; prejuízo foi de R$ 24 milhões

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A Polícia Civil concedeu uma coletiva à imprensa nesta terça-feira (18) para divulgar o resultado da 4° fase da operação Fake Bois, que investiga lavagem de dinheiro, organização criminosa, corrupção, peculato e outros crimes envolvendo o ramo da pecuária no Acre.

Três funcionários públicos de um órgão ainda não revelado pela polícia foram presos por facilitar a saída de gados do Estado sem o pagamento de impostos, além quatro membros de uma mesma família (a saber pai, mãe, filho e irmão do pai), por atuarem na compra e venda dos bovinos sem o cumprimento da legislação. A fase operacional atinge o núcleo financeiro da quadrilha. Os citados foram presos em Goiás, Acre e Rondônia, pelas polícias civis.

Ao todo, 950 animais de propriedades de municípios do Acre foram apreendidos no esquema, que também resultou no bloqueio de mais de R$ 2 milhões das contas bancárias dos envolvidos, bem como a interdição de bens.

A operação se estendeu a Goiás, Amazonas e Goiânia, além do Acre.

O delegado Pedro Resende, um dos responsáveis pela operação, disse que o trabalho contou com a presença de dezenas de agentes e com o apoio de instituições governamentais do Estados envolvidos, como o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf).

“Um organização criminosa que não responde pela pecuária, que tem uma importância significativa para o crescimento econômico do Estado. Se trata de criminosos e aproveitadores que arrendam pequenos pedaços de terra para transportar o gado sem o pagamento de impostos, tirando riqueza do nosso Acre”, explicou o delegado.

O valor arrecadado pela quadrilha, durante mais de 1 ano, no transporte de gados para outros Estados, chegou a quase R$ 24 milhões. “Eles só fizeram isso porque conseguiram arregimentar funcionários públicos”, finalizou.

  • Por Everton Damasceno, do Contilnet.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.