Rio Branco, Acre, 16 de junho de 2021

Pedido de cassação do deputado Cadmiel Bomfim é protocolado por sindicato dos médicos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Assessoria
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) protocolou nesta segunda-feira, 17, o pedido de cassação do deputado estadual Cadmiel Bomfim por quebra de decoro. O parlamentar ocupou a tribuna virtual da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) na terça-feira e quarta-feira para proferir ofensas contra o médico Rodrigo Damasceno, chegando a chamá-lo de “mercenário”.

Segundo as normas do Poder Legislativo, o documento será encaminhado à presidência da casa que deverá pedir parecer da Comissão de Constituição e Justiça, sendo o momento em que será aberto o processo de apuração do caso.

O presidente do Sindmed-AC, Guilherme Pulici, disse acreditar que os deputados avaliarão o caso com a devida seriedade e responsabilidade.

“É um fato pontual, mas infeliz, por isso pedimos providências para que outros casos não ocorram. Um ataque pessoal a um profissional que atua há anos no interior do nosso Estado, em situações difíceis e que não merece ser atacado. Já existe dificuldade para se fixar médicos nos municípios menores por falta de uma carreira de Estado e por falta de concurso público, então aqueles corajosos não podem ser atacados”, afirmou o sindicalista.

A decisão de pedir a cassação de Cadmiel Bomfim foi pautada no parecer do setor jurídico e na decisão da diretoria do Sindmed-AC, apontando que as graves ofensas resultam em justa causa, não se aplicando a imunidade parlamentar, segundo a Constituição Estadual.

A polêmica teria sido causada após a transferência de Rodrigo Damasceno para Feijó, cidade que sofre com a carência de médicos, e a solicitação de afastamento feita por ele, em virtude de uma cirurgia.

Há mais de uma década o Sindmed-AC vem denunciando a falta de profissionais e a falta de estrutura no Hospital Geral de Feijó e na Maternidade, chegando a realizar denúncias ao Ministério Público Federal (MPF) que, por meio de investigação, constatou as irregularidades, chegando a pedir uma fiscalização por parte do Ministério da Saúde que também reforçou a existência das irregularidades.

Neste ano, os feijoenses chegaram a convocar um protesto pela falta de assistência, movimento que foi encerrado depois de promessas por parte do governo do Estado. O próprio Sindicato chegou a se reunir com o representante do Ministério Público Estadual (MPE) e da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), por meio de teleconferência, existindo o compromisso, por parte do poder público, da disponibilidade de uma viatura, com médico embarcado, para evitar que o único plantonista do hospital saia da unidade, deixando a cidade sem atendimento, para fazer o transporte de pacientes.

Confusão da Sesacre

O Sindmed-AC ainda estuda responsabilizar os gestores da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) que, de forma equivocada, emitiram nota alegando que o médico teria sido transferido para Tarauacá de forma irregular. Documento emitido pelo próprio órgão oficializa a mudança de unidade no dia 9 de fevereiro de 2017.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.