Rio Branco, Acre, 14 de maio de 2021

PF investiga lavagem de dinheiro do PCC que teria movimentado R$ 700 milhões

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A Polícia Federal (PF) de  São Paulo deu início na manhã desta segunda-feira, 03, à segunda fase da Operação Tempestade, que investiga um esquema de lavagem de dinheiro da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

De acordo com a PF, os investigados movimentaram R$ 700 milhões em contas bancárias, com base em dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Desde o início da manhã, a operação tentava cumprir cinco mandados de prisão – quatro preventivas e uma temporária – além de 22 mandados de busca e apreensão nos estados de São Paulo (capital, Tietê, Guarujá), Rio de Janeiro e Brasília. As buscas estão sendo feitas em residências, empresas e dois escritórios de advocacia.

A Justiça também determinou o bloqueio de R$ 220 milhões e a interdição da atividade de um contador.

Essa ação é a segunda fase da operação Rei do Crime, que apontou que cerca de 50 postos de uma rede de combustíveis foram usados para legalizar o dinheiro vindo do tráfico de drogas e beneficiar o PCC.

As investigações começaram após a delação premiada de Felipe Ramos Moraes, o piloto de helicóptero que transportou os criminosos Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, para uma emboscada que terminou com a morte deles, em Aquiraz, na região metropolitana de Fortaleza, em 2018. Os dois eram integrantes da facção.

De acordo com a Polícia Federal, a investigação possibilitou a identificação, a localização e o bloqueio do valor aproximado de R$ 30 milhões de reais. Também foram identificados imóveis e veículos. Seis empresas foram interditadas por envolvimento no esquema criminoso.

A PF também descobriu um esquema de abertura de empresas fictícias, que eram utilizadas como “cortina de fumaça” para depósitos em uma instituição financeira de “fachada”. O papel da instituição financeira era providenciar os saques e facilitar entrega, em espécie, a terceiros com indícios de envolvimento em atividades ilícitas.

A investigação tramita na 6ª. Vara Criminal Federal de São Paulo.

Fonte: IG.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.