Rio Branco, Acre, 17 de junho de 2021

Qualidade do ar no Acre começa a baixar com início da estiagem; setembro deve ser pior mês

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Com a transição do período de chuvas para o início da época mais seca no Acre uma antiga e permanente questão começa a preocupar os estudiosos: as temidas queimadas e, consequentemente, a poluição do ar que fica ainda mais grave em período de pandemia.

Rio Branco já apresenta um nível de poluição maior do que o estipulado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como normal.

Dados do relatório da sala de situação de monitoramento hidrometeorológico do Acre, divulgados nessa quinta-feira (20), mostram que na capital acreana a concentração de material particulado chegou, no dia 19 de maio, a máxima concentração de 36,47 µg/m³.

A OMS prevê que a quantidade de material particulado por metro cúbico aceitável é de 25 microgramas. Acima disso, a qualidade é ruim para a saúde humana. Porém, o professor e pesquisador da Ufac, Alejandro Fonseca, diz que o ar ainda está dentro dos padrões, mas a situação deve piorar ainda na primeira quinzena de junho.

As leituras são feitas por equipamentos de monitoramento da qualidade do ar instalados na Universidade Federal do Acre (Ufac) e na sede do Ministério Público do Estado do Acre (MP-AC), no Centro de Rio Branco.

“Os valores ainda estão baixos, não está muito poluído, mas a tendência é que aumente à medida que passe a primeira quinzena de junho. É uma questão sazonal, todo ano acontece e, em setembro, a gente vai ter uma alta concentração de poluentes, praticamente em todo estado do Acre”, prevê.

Quando aumentam os níveis de poluentes do ar, o efeito negativo atinge principalmente pessoas com problemas respiratórios e crianças que começam a sentir muito mais o peso dessa qualidade do ar, a garganta seca, ardedura nos olhos por conta dessa concentração de poluentes.

Fonseca afirma que não é normal esse aumento dos poluentes, não deveria existir, mas todo ano acontece no período seco, devido às queimadas tanto urbanas, como as da zona rural.

“Não é normal, não deveríamos ter isso aqui. Nessa região ainda está respirável, não é um problema para a saúde ainda. Mudou o tempo e não estamos mais com chuvas e já estamos no período de transição para a seca, há dias que chove, outros não, e as pessoas aproveitam para queimar, o que se observa uma diferença entre os outros meses”, afirma.

Ainda conforme o relatório, entre o início de janeiro e 19 de maio, no Acre, foram registrados 28 focos de queimadas. A maior incidência estão nas cidades de Cruzeiro do Sul e Feijó, no interior do estado, com cinco focos em cada uma. Rio Branco aparece com dois.

Com informações do G1 Acre.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.