Rio Branco, Acre, 23 de julho de 2021

Influenciadora digital do Acre tenta recuperar guarda da filha que está em SP há 10 meses com o pai

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A digital influencer Ludmilla Cavalcante tenta, há dez meses, recuperar a guarda da filha Antonella, de 1 ano e 10 meses, que está com o pai no interior do São Paulo (SP), onde ele mora. Segundo Ludmilla, foi combinado, em setembro de 2020, que o ex-companheiro ficaria com a criança até o parto da segunda filha, em novembro do ano passado.

Porém, após a menina chegar no estado paulista, o homem deu entrada na guarda provisória e, de acordo com a mãe, não deixa a criança voltar para o Acre. A mãe diz que não foi informada sobre o pedido de guarda ingressado pelo ex-companheiro no interior de São Paulo e o pouco contato que tem com a filha é por ligações de videochamada.

“Ela foi com meu consentimento até minha outra bebê nascer, que é minha filha mais nova. Como não tinha ninguém para ajudar, estava no pico da pandemia, deixei ela lá para poder ter a bebê. Nosso acordo, e tenho todas as provas, era que ela voltasse quando a Catarina nascesse, que foi em novembro”, relembrou.

O pai da criança, que pediu para não ter o nome divulgado, afirmou que vai ter uma audiência na próxima semana na Comarca de Bastos (SP) para definir com quem a criança deve ficar. Ele alegou também que não impede a ex-companheira de falar com a filha.

“Ela fica de 20 dias sem ligar, mas é porque não quer. Então, não é do jeito que ela está falando. Fizemos um acordo, nossa preocupação hoje é só em prol da Antonella. Não é questão de dinheiro, é de cuidado. Está sendo muito bem cuidada, quem vai dizer isso é o estudo psicossocial que está sendo feito. Ela me entregou porque não tinha condições de cuidar, cada semana estava com uma pessoa diferente, não estava cuidando”, justificou.

Luta pela filha

Após o nascimento da segunda filha, Ludmilla disse que passou a pedir para o ex-companheiro que a filha voltasse para Rio Branco para ficar com ela. Foi aí que descobriu que, em menos de um mês, o homem tinha conseguido a guarda provisória e a menina não voltaria.

Ludmilla e o pai da menina tiveram um relacionamento de mais de dois anos. Ele, que mora no interior de São Paulo, vem ao Acre a trabalho constantemente e, segundo informou à reportagem, é casado e tem família no estado paulista. Ele conheceu a jovem em uma festa, se relacionaram e ela engravidou de Antonella.

A criança foi registrada, mas os pais não seguiram no relacionamento. Após um tempo, o ex-casal teve uma recaída e Ludmilla acabou engravidando novamente. A influencer contou que entrou na Justiça para pedir o reconhecimento de paternidade da segunda filha. Já o pai alegou que pediu o exame de DNA para comprovar a paternidade.

“A Antonella chegou em um dia e no outro dia ele entrou com pedido de guarda e em menos de um mês conseguiu a guarda sem eu ser informada, intimada e nem ter conhecimento do processo. Quando tive conhecimento, o juiz ainda não me deu a guarda dela.”

Ludmilla expôs o caso nas redes sociais, fez vídeos contando a história e recebe apoio de várias seguidoras. A jovem diz também que não consegue falar direito e nem ver a filha nas chamadas de vídeo e teme que a menina não lembra mais dela e cresça sem contato com ela.

“Não tenho como ir a São Paulo, vou desembolsar um dinheiro que não tenho, ele não vai deixar eu ver ela, já falou que não vai deixar. Não deixa nem eu ver direito por videochamada e nem foto. Fiquei quatro meses sem receber uma foto sequer da minha filha. Quero que ela volte para mim, quero que a Justiça seja célere, seja justa e imparcial. Não tenho nada contra mim, nada negativo e a Justiça não dá a guarda para mim”, lamentou.

Processo de guarda

Em fevereiro de 2020, Ludmilla revelou que o pai da filha deu entrada na comarca de Rio Branco com um processo de guarda compartilhada. Como estava no início da pandemia, o processo demorou a ser julgado e chegar em um resultado. A ação previa que a menina morasse com a mãe e o pai fizesse visitas semanalmente.

“Quando a Antonella chegou em São Paulo, o processo daqui ainda estava correndo. Só conseguiu a guarda lá porque estava com a criança, no processo de lá tem que eu dei a criança, sendo que nunca foi dada. Ela foi deixada com ele enquanto eu ia ter nossa outra filha. Foi um golpe muito bem dado, um macete judicial que deu certo. Aqui a guarda ia ser compartilhada”, afirma. A jovem explicou que o processo foi remetido para São Paulo porque a criança estar lá atualmente.

FONTE: G1 ACRE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.