Rio Branco, Acre, 23 de julho de 2021

Más condições da BR-364 prolonga o tempo de viagem entre Rio Branco e Cruzeiro do Sul

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma viagem que deveria durar cerca de 10 horas entre a capital acreana, Rio Branco e Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, que tem uma distância estimada de mais de 600 quilômetros, ainda é um grande desafio para muitos acreanos; pois, devido aos inúmeros buracos e erosões na pista, a viagem passa a durar mais de 16 horas.

O trajeto que corta munícipios como Sena Madureira, Feijó, Tarauacá e Manoel Urbano, até chegar a Cruzeiro do Sul, geralmente é feito em cerca de 10 horas. Contudo, devido às péssimas condições da pista, em grande parte da rodovia, a viagem poderá durar de 14 à 16 horas.

“Hoje, a média está de 14 horas, mas é uma viagem que já foi de 10 a 11 horas. Então, aumentou uma faixa de 3 a 4 horas”, disse Francisco Mendes, gerente de uma das empresas que faz o transporte intermunicipal entre Rio Branco e Cruzeiro do Sul.

“Viagem bastante cansativa, demorada pela distância e pelas más condições da estrada, balança bastante devido aos buracos. É muito cansativa, com mais de 12 horas”, disse Silas Júnior, de 33 anos, que mora em Rio Branco, mas precisou viajar até Cruzeiro do Sul a trabalho. Ele destacou que saiu às 19h da segunda-feira (19) e chegou nesta terça-feira (20), às 7h30 da manhã.

No mês de fevereiro, a BR chegou a ficar interditada por quatro dias, momento em que passou por manutenção devido aos prejuízos causados pelas fortes chuvas na região.

Dois meses depois, o tráfego foi novamente interrompido para retirada de um aterro de pedras colocado no local no mês de fevereiro.

Francisco Mendes disse, ainda, que a prolongação da viagem vem sendo um transtorno para os passageiros, que reclamam muito sobre; porém, ele afirma que é preciso manter a segurança de todos.

“Há reclamações dos passageiros pelo fato de que a viagem prolongou bastante devido a essa buraqueira, e tivemos que reduzir a velocidade para evitar a possibilidade de quebra dos veículos. A gente justifica que faz parte de medidas de segurança, porque devido a estrada ter muito buraco, reduzimos a velocidade para garantir a segurança dos mesmos. Automaticamente, se reduz a velocidade, aumenta o tempo de percurso” (sic); e completou: “a gente não tem quebra porque focamos bastante na prevenção do veículo, mas temos um aumento na reposição de peças do veículo; também tem a danificação da lataria. Então, o que causa é isso, além do atraso na hora da chegada e saída” (sic), finalizou.

“Implantação fracassada”

Carlos Moraes, superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) criticou a obra de construção da estrada e afirmou que o órgão vem fazendo os reparos para garantir que ela não seja fechada no período invernal, como ocorrido em anos anteriores. Contudo, garantiu que é necessária uma obra de reconstrução mais resistente.

“Não é novidade a BR-364 estar assim. Ela teve uma implantação fracassada e, desde então, tem sérios problemas estruturais que, enquanto a gente faz a manutenção, chega o inverno e ela volta para uma condição crítica. Se a gente voltar um pouquinho, em novembro do ano passado ela estava em uma condição satisfatória, mas veio o inverno; e quando foi março e abril já estava em uma situação muito crítica”, ressalta.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.