Rio Branco, Acre, 23 de julho de 2021

Ministro da Defesa ameaça Câmara e condiciona eleições de 2022 ao voto impresso

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O ministro da Defesa, Walter Braga Netto, fez uma ameaça ao presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), de que não haverá eleições em 2022 se não for com voto impresso. O recado foi dado no dia 8 de julho, na companhia de chefes militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica – como informa o jornal O Estado de S. Paulo. No mesmo dia, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), repetiu a mensagem publicamente: “Ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não temos eleições” .

Lira teria considerado o recado de Braga Netto uma ameaça de golpe de estado e, por isso, teria procurado Bolsonaro para falar sobre a questão. Em uma longa conversa, o presidente da Câmara, que também é lider do Centrão na casa, teria dito para não contar com ele para qualquer ato de ruptura institucional, de golpe ou quebra da Democracia.

O deputado teria sido enfático ao afirmar a Bolsonaro que iria com ele até o fim, com ou sem crise política, mesmo que fosse para perder na eleição de 2022, mas que não admitiria um golpe. E o presidente teria respondido que nunca havia defendido um golpe, por respeitar “as quatro linhas da Constituição”, como costuma dizer em público. 

Segundo o Estadão, a mensagem dos militares e a reação de Lira são de conhecimento de um restrito grupo da política e do Judiciário. Nenhum quis falar publicamente sobre o tema, devido a gravidade do assunto. Diante da possibilidade do Congresso rejeitar a proposta de emenda à Constituição (PEC) do voto impresso, que atualmente tramita em uma comissão especial, muitos consideram a afirmação de Braga Netto preocupante.

“A conversa que eu soube é que o ministro da Defesa disse a um dirigente de partido: “A quem interessar, diga que, se não tiver eleição auditável, não terá eleição’. Teve um momento de muita tensão. Não foi brincadeira, não”, descreveu um dos envolvidos no assunto, sob a condição de anonimato. 

O Ministério da Defesa não se pronunciou sobre o assunto.

– Com informações de O Estado de S. Paulo.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.