22.2 C
Juruá
terça-feira, junho 28, 2022

Ex-presidente boliviana Áñez é condenada a 10 anos de prisão por orquestrar golpe

Por Redação

Um tribunal boliviano considerou a ex-presidente Jeanine Áñez culpada nesta sexta-feira de orquestrar um golpe que a levou ao poder durante uma crise política de 2019. Ela foi condenada a 10 anos de prisão. Um ex-comandante militar e ex-general de polícia também foram condenados.

Áñez, 54, foi condenada por tomar “decisões contrárias à Constituição” e por “abuso do dever”.

A promotoria disse que Áñez, então senadora de direita, violou normas que garantem a ordem constitucional e democrática após as eleições presidenciais de 2019 na Bolívia. A defesa de Áñez disse que apelaria a órgãos internacionais para buscar justiça, e vários setores da oposição planejaram marchas para protestar contra a decisão.

A Bolívia está dividida sobre se um golpe ocorreu quando o então presidente Evo Morales renunciou em 2019, com Áñez ascendendo à presidência em meio a um vácuo de liderança deixado em seu rastro.

A saída de Morales seguiu-se a protestos em massa sobre uma eleição disputada na qual ele afirmou ter conquistado um controverso quarto mandato consecutivo. Áñez afirma que ela é inocente.

O caso contencioso expôs ainda mais as falhas em um país profundamente dividido, além de alimentar preocupações sobre o processo judicial na Bolívia.

“Estamos preocupados com a forma como este caso foi conduzido. E pedimos aos tribunais superiores que examinem como os procedimentos foram conduzidos”, disse Cesar Munoz, pesquisador sênior para as Américas da Human Rights Watch, em entrevista antes do veredicto.

Áñez não foi autorizada a comparecer ao julgamento pessoalmente, em vez disso, seguiu a audiência e participou da prisão. Ela está detida desde sua prisão em março de 2021 por acusações iniciais de terrorismo, sedição e conspiração.

Membros e apoiadores do partido Movimento ao Socialismo (MAS) de Morales, que voltou ao poder em 2020, dizem que Áñez desempenhou um papel fundamental no que diz ter sido um golpe contra Morales, o primeiro presidente indígena da Bolívia, que supervisionou uma redução dramática da pobreza ao presidente de 2005 a 2019.

Como presidente, Áñez foi acusada de acertar contas políticas quando seu governo processou ex-funcionários do MAS. Os apoiadores de Áñez dizem que seu julgamento foi ilegítimo e político. Em seu julgamento, Áñez disse que era produto das circunstâncias e que sua ascensão ao cargo principal ajudou a acalmar uma nação tensa e a preparar as bases para as eleições em outubro de 2020.

“Eu não levantei um dedo para me tornar presidente, mas fiz o que tinha que fazer. Assumi a presidência por obrigação, de acordo com o que está estabelecido na constituição”, disse Áñez em sua declaração final ao juiz.

CNN

error: Alert: O conteúdo está protegido !!