20.8 C
Juruá
sexta-feira, agosto 12, 2022

“Quero mandar um abraço a todos de Cruzeiro do Sul”, diz ex-morador de rua que se recupera no Paraná

Por Redação - Leandro Altheman

Poucos cruzeirenses reconheceriam hoje o sr. Nilson Batista Marques, após pouco mais de um ano do dia em que foi resgatado. Aos 62 anos, morando com seu irmão Nelson na cidade de Ibati, no norte paranaense, ele em nada se aparece com o homem barbado que vivia na porta da agência do Banco do Brasil da avenida Mâncio Lima onde costumava pedir ajuda para comer.

“O pessoal de Cruzeiro do Sul foi muito legal comigo, sempre me ajudaram no que podiam. Mesmo na situação difícil que eu me encontrava conseguir guardar boas lembranças daquela cidade”, conta o sr. Nilson.


Apesar da figura conhecida, poucos conhecem a história por trás do homem que levou o então caminhoneiro Nilson a situação de rua.Nilson conta que trabalhava de caminhoneiro em Rio Branco entregando verdura nos municípios do interior do Acre, quando surgiu o interesse de conhecer Cruzeiro do Sul, aonde chegou em 2008. Na cidade, chegou a trabalhar durante 4 meses em uma funerária no bairro do Aeroporto Velho, quando então teve a carteira com seus documentos roubados, provavelmente, por um usuário de drogas.

Nessa época, Nilson também era dependente químico. O vício somado ao fato de estar sem seus documentos, o lançou numa espiral negativa que o consumiu por 14 anos. “Como eu era drogado também não liguei para os documentos, mas aí também não conseguia trabalhar e as coisas foram ficando cada vez mais difíceis. Mesmo assim, as pessoas me ajudavam para pelo menos eu ter o que comer”, conta.

Esse espírito de solidariedade dos cruzeirenses foi o que tornou os anos de Nilson como morador de rua menos dolorosos e que acabou por determinar que fosse encontrado pelo irmão, Nelson, há mais de 4 mil quilômetros de distância.

Nelson buscava pelo irmão de quem não tinha notícia há 15 anos e usou as redes sociais para tentar obter alguma notícia, postando em grupos uma foto envelhecida e acrescida de barba por meio de um filtro. Com isso, a imagem acabou sendo reconhecida em Cruzeiro do Sul. “O pessoal do restaurante Almanara, sempre me ajudaram. O filho do Kalid respondeu a mensagem de um grupo de whats app”, disse.

A partir daí foi feito o contato com seu irmão, Nelson, que também trabalha de caminhoneiro. “Desde pequenos somos nós dois. Nos criamos juntos, estudamos juntos, trabalhamos juntos, um sempre ajudou o outro. Por isso não desisti de procurar”, conta o irmão Nelson.


Nelson tem dificuldade em escrever o sentimento de reencontro após 15 anos. “Foi uma grande emoção. Comprei a passagem de avião na hora e fui buscar ele em Cruzeiro”, conta.   

Hoje os dois irmãos caminhoneiros, Nilson e Nelson moram juntos, num enredo que poderia fazer parte da série ‘Carga Pesada’. Nilson tem procurado recuperar a saúde prejudicada pelos anos vivendo na rua. Tem tratado uma Hepatite C e já fez uma cirurgia de catarata no olho, que permitiu recuperar a visão.

Garante que conseguiu superar o vício das drogas e não se aproxima sequer de bebida alcóolica, para evitar uma recaída.

“Sair do vício não é fácil. Mas é preciso ter força de vontade, fé e humildade”, diz.

Seu objetivo é voltar a dirigir caminhão e tem feito todos os procedimentos legais para a renovação da carteira de motorista. “Agora que consegui dar a volta por cima quero viver o restinho da minha vida trabalhando, com as dificuldades, mas também com esperança”, afirma.

Outro objetivo, é implantar próteses dentárias fixas. “Eu estou bem agora mas queria voltar a sorrir. Tive que tirar todos os dentes e quero colocar prótese fixa”, conta. O valor fica em torno de 16 mil reais. Se o pessoal daí de Cruzeiro puder me ajudar, eu agradeceria muito”, diz Nelson. 

Nilson também fez questão de agradecer à população de Cruzeiro do Sul em geral, e a Giovani Lima, em especial. “Foi o Giovani que ajudou nesses contatos, que ajudou a me localizar”, conta.

Nilson diz que pretende um dia voltar à Cruzeiro do Sul, mas em outra condição. “Quem bebe da água do Juruá, sempre quer voltar. O povo daí sempre me tratou bem, mesmo nos momentos mais difíceis. Quero mandar um abraço a todos de Cruzeiro do Sul, em especial a uma pessoa muito querida, a Vanessa que mora no Formoso e dizer que quero colocar os dentes para poder voltar e ver esse povo todo, mostrar que agora estou bem”, cinta emocionado, o sr. Nilson.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!