25.8 C
Juruá
quarta-feira, abril 17, 2024

Alunos do Acre participarão de curso inédito ofertado pela Ufac e Embrapa

Por Assessoria.

- Publicidade -

Nos dias 22 a 26 de maio, 25 estudantes das áreas de Agronomia e Biologia terão a oportunidade de adquirir conhecimentos fundamentais no estudo e identificação de insetos parasitóides com relevância econômica na agricultura. O curso é inédito no Estado e será realizado no Laboratório de Ensino de Biologia da Universidade Federal do Acre (Ufac), em parceria com a Embrapa Acre.

Com duração de 40 horas, a capacitação tem como objetivo fornecer noções básicas de taxonomia de parasitóides, com destaque aos aspectos ecológicos, técnicas de coleta e sua importância econômica como controladores naturais de populações de insetos-praga em cultivos agrícolas.

O material utilizado no curso faz parte de um acervo com mais de 2.000 exemplares de insetos coletados e identificados na Terra Indígena Puyanawa, localizada no Município de Mâncio Lima, região do Juruá. A ação faz parte de um projeto de pesquisa, coordenado pela Embrapa, para o fortalecimento da agricultura com os indígenas.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Acre, Rodrigo Santos, o curso tem o potencial de motivar estudantes e profissionais a se aprofundarem nos estudos desses insetos, permitindo que, em um futuro próximo, o Acre possa contar com taxonomistas qualificados. “O estado do Acre carece de conhecimento sobre os inimigos naturais presentes em seu território. Por isso, a importância de conhecer as espécies de himenópteros parasitóides,  insetos que têm uma relação íntima com seus hospedeiros, que ocorrem na região para identificar insetos com potencial para serem utilizados em programas e controle biológico aplicado. A escassez de profissionais especializados nessa área temática é um desafio que precisa ser superado”.

Esses insetos, os  himenópteros parasitóides,  depositam seus ovos dentro ou sobre o corpo do hospedeiro, e as larvas se desenvolvem consumindo o hospedeiro nas fases de ovo, larva, ninfa, pupa ou adulto, resultando em sua morte. Essa característica faz com que esses insetos sejam considerados valiosos no controle biológico de pragas agrícolas, reduzindo a necessidade de pesticidas químicos prejudiciais ao meio ambiente.

O conhecimento sobre a taxonomia dos himenópteros parasitóides é fundamental para identificar as espécies presentes em determinada região, compreender suas interações ecológicas, proporcionar ambientes favoráveis à sua permanência e desenvolver estratégias eficientes de controle biológico. Além disso, a criação de insetos em laboratório para utilização como inseticidas naturais é uma prática promissora que pode contribuir para a diminuição das populações de insetos-praga em cultivos agrícolas, com redução de danos às plantações e os custos associados ao controle de pragas.

“O curso representa um marco importante para o estado do Acre, possibilitando a formação de profissionais capacitados e motivados a contribuir com o estudo e a aplicação prática dos himenópteros parasitóides como aliados no controle de pragas agrícolas. A parceria entre instituições de renome e o envolvimento de pesquisadores qualificados evidenciam a relevância desse campo de estudo e o potencial que ele possui para impulsionar o desenvolvimento sustentável da agricultura na região”, explica o professor da Ufac, Vanderley Santos.

Desde 2011, a Embrapa desenvolve ações de pesquisa e transferência de tecnologias em Terras Indígenas no Acre. As atividades contemplam o levantamento de himenópteros parasitóides e o controle de insetos nas aldeias.

“Já foram coletados e identificados milhares de insetos durante esse período. Isso mostra a importância desses estudos e a grande diversidade de parasitóides existentes no Estado. Assim, há possibilidade da descoberta de novas espécies potenciais para uso no controle biológico aplicado, atuando como um inseticida natural”, destaca o pesquisador Rodrigo Santos.

Parceria 

O curso  contará com cientistas renomados da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), por meio do projeto do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Hymenoptera Parasitoides (INCT/Hympar) com financiamento do CNPq. A iniciativa é fruto de uma parceria entre as duas instituições de ensino, da Embrapa Acre e da Sociedade Entomológica do Brasil (SEB).

O curso será ministrado pela pesquisadora da UFSCar e especialista em Ecologia e Recursos Naturais, Priscilia Tominaga Higa, e pelo curador da Coleção Entomológica do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da UFSCar, Luís Felipe Ventura de Almeida. A organização é da pesquisadora da UFSCar e coordenadora do INCT/Hympar, Angélica Maria Dias, do pesquisador da Embrapa Acre, Rodrigo Santos, e do docente da Ufac, Vanderley Santos.

- Publicidade -
Copiar