24 C
Juruá
sexta-feira, abril 12, 2024

‘Não existe adulteração da minha parte, eu não tomei a vacina’, diz Bolsonaro após operação da PF

Por g1.

- Publicidade -

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) reafirmou nesta quarta-feira (3) que ele e a filha Laura, de 12 anos, não tomaram vacina contra a Covid. Bolsonaro também negou que tenha havido adulteração nos cartões de vacinação da família.

O ex-presidente foi alvo de mandados de busca e apreensão nesta quarta. A Polícia Federal investiga se Bolsonaro, familiares e auxiliares inseriram informações falsas no sistema do Ministério da Saúde para obter um cartão de vacinação com doses que, na verdade, não foram aplicadas.

Em entrevista após a operação da PF na casa em que mora, Bolsonaro disse que nunca pediram a ele cartão de vacina para “entrar em lugar nenhum”.

“Nunca me foi pedido cartão de vacina em lugar nenhum, não existe adulteração da minha parte. eu não tomei a vacina, ponto final, nunca neguei isso”, disse.

“O que eu tenho a dizer a vocês? Eu não tomei a vacina. Uma decisão pessoal minha […]. O cartão de vacina da minha esposa também foi fotografado, ela tomou a vacina nos Estados Unidos, da Janssen. E a outra, minha filha, Laura, de 12 anos, não tomou a vacina também, tem laudo médico no tocante isso”, acrescentou o ex-presidente.

Bolsonaro também disse ter ficado “surpreso” com a realização da operação contra ele.

“No resto, eu realmente fico surpreso com a busca e apreensão por esse motivo. Eu não tenho mais nada a falar”, prosseguiu.

Adulteração

TV Globo apurou que a adulteração do cartões de vacinação do ex-presidente e da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro teria ocorrido em dezembro do ano passado, quando Bolsonaro, derrotado nas eleições, deixou o país com destino aos Estados Unidos.

Segundo apurou a TV Globo, os sistemas do Ministério da Saúde indicaram que duas doses de vacinas contra Covid teriam sido aplicadas em Jair Bolsonaro:

  • a primeira, supostamente aplicada em 13 de agosto de 2022 no Centro Municipal de Saúde de Duque de Caxias (RJ);
  • a segunda, supostamente aplicada no dia 14 de outubro, no mesmo estabelecimento de saúde.

Os dados, segundo os investigadores, foram inseridos apenas no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações apenas em 21 de dezembro, pelo secretário municipal de Governo de Duque de Caxias, João Carlos de Sousa Brecha.

Uma semana depois, no dia 27 de dezembro do ano passado, as informações foram excluídas do sistema por Claudia Helena Acosta Rodrigues da Silva, sob alegação de “erro”.

- Publicidade -
Copiar