23.7 C
Juruá
quarta-feira, abril 17, 2024

Sem ser entregue nos dois prazos estipulados, anel viário de Brasileia segue sem previsão de conclusão

Por redação.

- Publicidade -

As obras do anel viário de Brasileia e Epitaciolândia, no interior do Acre, seguem em andamento e sem previsão para conclusão, segundo o Departamento de Estradas e Rodagens do Acre (Deracre). O órgão, que é responsável pela obra por meio de um consórcio de empresas terceirizadas, não quis informar se há paralisação das obras.

O prazo inicial para conclusão era o fim de 2022. Depois, a previsão passou a ser janeiro de 2023. Em fevereiro, segundo o governo, o anel viário estava 90% construído. A última atualização do governo do Acre, em março deste ano, informou que a obra estava em fase final, e a aduela de fechamento central, que liga os dois lados da estrutura da ponte, foi instalada.

A construção do anel viário, que é uma das promessas do governador Gladson Cameli, é considerada estratégica para o tráfego na Rodovia Interoceânica, que vai até o Peru. A previsão de investimentos é de R$ 60 milhões, recursos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Projeto

Para a administração dos trabalhos, foi contratado o consórcio Cidade/CZS/Meta. A obra prevê 10 quilômetros de estrada contornando os dois municípios. Com o projeto, o governo espera também retirar os veículos de carga, que fazem exportação pela BR-317, do tráfego dentro das cidades, preservando as vias urbanas. Além de facilitar o tráfego na região, a ponte deve beneficiar mais de 50 mil habitantes e movimentar a economia com a geração de emprego e renda.

Durante a campanha eleitoral em 2018, o governador Gladson Cameli prometeu, durante um debate em canal de televisão, que iria fazer o anel viário. A execução da obra faz parte das promessas do governo.

A ideia do empreendimento é a integração econômica e social dos países da América do Sul. O contorno viário vai facilitar o comércio acreano com a Ásia. Além de desviar todo o fluxo de veículos pesados da zona urbana, o empreendimento deve criar um novo eixo de desenvolvimento para Brasileia e Epitaciolândia, beneficiando cerca de 50 mil moradores da região. Em novembro de 2022, a obra estava 40% concluída.

  • Fonte: g1 AC.
- Publicidade -
Copiar