23 C
Juruá
domingo, abril 21, 2024

Acre tem 9,3 mil ações criminais e 57 casos de feminicídio para serem julgados

Por Redação

- Publicidade -


Com aproximadamente 900 mil habitantes, o estado do Acre tem 9,3 mil processos criminais relacionados a crimes contra mulheres tramitando no Poder Judiciário do Acre. A comarca com os maiores números é a de Rio Branco, com 6,7 mil processos, seguida pela segunda maior cidade, Cruzeiro do Sul, com 1,1 mil processos.

Os dados são do relatório do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgados em publicação do portal do Tribunal de Justiça do Acre, estado que ainda está acima da média nacional onde mais se mata mulheres pelo simples fato de serem mulheres, caracterizando o crime de feminicídio.

Segundo o Monitor da Violência, uma parceria do site G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, ocorreu uma média de 2,5 feminicídios para cada grupo de 100 mil habitantes em 2022, no Brasil.

Ainda de acordo com as informações do Monitor da Violência, o Acre fica atrás apenas dos estados do Mato Grosso do Sul (3,5), de Rondônia (3,1) e de Mato Grosso (2,7). Ou seja, o estado acreano, conforme esses números, o segundo mais violento da região Norte para as mulheres.

Para a titular da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comsiv), desembargadora Eva Evangelista, as ações educativas são essenciais para levar informações para que os jovens possam identificar as formas de violência e, assim, romperem com a naturalização do machismo e preconceito de gênero.7

“É importante para os jovens se aperceberem das diversas espécies de violência, alguns que podem nem ter conhecimento ou ter um conhecimento superficial e do qual eles muitas vezes incorporam como uma normalidade. E não há normalidade na violência. Essa violência que começa nos lares e se espalha pela sociedade”, comentou a magistrada.

Segundo o relatório “Visível e Invisível: a vitimização de mulheres no Brasil., 4º edição – 2023”, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, mais de 50.962 mulheres sofreram violência diariamente em 2022, o equivalente a um estádio lotado.

Do total acima, 28,9% sofreram algum tipo de violência ou agressão, que equivale a 18,6 milhões de mulheres, sendo 14,9 milhões por ofensas verbais; 8,7 milhões por perseguição; 7,6 milhões por chutes e socos (14 mulheres agredidas por minuto); 3,5 milhões por espancamento ou tentativa de estrangulamento; e 3,3 milhões por ameaça com faca ou arma de fogo.

Com informações Ac24horas

- Publicidade -
Copiar