25.8 C
Juruá
quarta-feira, abril 17, 2024

Atleta acreano conquista prata nos jogos Parapan-Americanos em Bogotá

Por Assessoria.

- Publicidade -

Foto: Assessoria

Quem disse que deficiência é motivo para privar alguém dos seus sonhos? É isso mesmo, o jovem Ricardo de Souza Campos de 20 anos, tem provado que a deficiência não lhe tem privado de praticar esporte.

Com um quadro de mais de 15 medalhas conquistadas entre terceiro, segundo e primeiro lugares, o jovem da cidade da tríplice fronteira Assis Brasil, no Estado do Acre, vem crescendo nas competições participando até da Seleção Brasileira dos jogos Parapan-Americanos de 2023.

Para alguns, o que parecia um exercício para melhorar o tratamento de saúde, levou o jovem Ricardo Campos a ser convocado pela Seleção Brasileira de Bocha para os Jogos Parapan-Americanos realizado na Colômbia, cidade de Bogotá com a final realizada neste sábado dia 10 de junho.

Ricardo Campo tem paralisia celebral, seu tratamento é realizado no Hospital de reabilitação Sarah Kubitschek e foi lá que ele conheceu o esporte. “Bocha Adaptada” onde iniciou fazendo seus exercícios para melhorar seu posicionamento físico, e daí nasceu o amor pelas práticas esportivas em sua vida.

O jovem vem desde 2017 participando de campeonatos a nível estadual e nacional, conquistando várias competições em sua carreira de esporte.

Com a convocação para a Seleção Brasileira, seus treinamentos ficaram ainda mais sérios e rígidos pelo seu treinador que é seu pai, Clodoaldo Campos, o principal incentivador do jovem com treinamentos e exercícios diariamente no Ginásio de Esportes Sidney Nascimento, no município de Assis Brasil.

Ricardo embarcou com seu pai para a cidade de Bogotá, onde participou das disputas com a final realizada no sábado ficando com a medalha de prata na Seleção Brasileira na competição atletas com quadros severos de origem cerebral.

Ricardo Campos na BC3 (competidores que usam calhas para lançar a bola, com apoio de um calheiro, conquistou mais uma medalha de prata para a seleção.

Para o seu pai e treinador Clodoaldo Campos, essa foi uma grande conquista. “Iniciamos para ajudar no seu tratamento de saúde, algo para se divertir também devido a sua deficiência, o que tem nos dado muita alegria e conquista. O Ricardo tem se dedicado diariamente, às vezes esquecemos que ele tem uma deficiência. O que podemos dizer que todos podem chegar onde quiserem, basta ter disciplina e força de vontade. Voltamos para a nossa cidade felizes com a conquista da medalha de prata, e eu disse para as pessoas que tem algum tipo de deficiência que isso não limita ninguém”, destacou.

Considerado um jogo de estratégia, a Bocha é uma modalidade que abre portas para pessoas com grau severo, sendo praticado no Brasil desde 1970.

Pode ser jogada individualmente, em duplas ou em equipes, e é mista, homens e mulheres competem juntos e igualmente. Além de atletas com paralisia cerebral, também podem participar pessoas com outras deficiências.

Assessoria por: Leila Ferreira

- Publicidade -
Copiar