23.7 C
Juruá
quarta-feira, abril 17, 2024

Homem que invadiu escola e desferiu facada no pescoço da ex-mulher vai a júri popular

Por redação.

- Publicidade -

Jairo da Silva Cordeiro, de 28 anos, acusado de tentar matar a ex-mulher Adriana do Nascimento, de 35, com uma facada no pescoço enquanto ela trabalhava em escola pública, em Rio Branco, irá a júri popular. A decisão foi do juiz Alesson Braz, da 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar da comarca de Rio Branco.

O crime, que ganhou repercussão, aconteceu em setembro do ano passado. Além de responder por violência doméstica, Jairo também é acusado de tentativa de homicídio qualificado por motivo torpe, recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio. A motivação do crime, segundo denúncia do Ministério Público do Acre, foi ciúmes. A decisão ainda é passível de recurso.

Adriana foi atacada pelas costas enquanto limpava um dos corredores da escola Neutel Maia onde é funcionária de serviços gerais. Atingida pela facada na altura no pescoço ela foi socorrida e levada ao hospital, onde recebeu pontos e liberada.

A defesa do acusado tentou alegar insanidade mental do acusado, mas a Justiça indeferiu. No dia 8 de maio ocorreu audiência de instrução do caso, onde a vítima foi ouvida, além de testemunhas e do réu.

Durante oitiva, a vítima relatou que conviveu com o réu por nove meses, que o relacionamento sempre foi bom e que no dia do crime estava na escola trabalhando quando ele chegou “transtornado” e a atacou com a facada pelas costas. A mulher disse ainda que Cordeiro tinha ciúmes dela, que não queria que ela saísse sozinha e que ele estava usando droga no período.

A vítima também afirmou que não ficou com sequelas e que foi ao hospital apenas para dar pontos. Ainda no depoimento, Adriana contou que foi visitar o réu no presídio e que voltou a ter um relacionamento com ele.

No interrogatório, o réu confessou o crime e relatou que estava há aproximadamente nove meses sem usar droga, mas que tinha voltado a se drogar dias antes do crime “por influência de pessoas”.

Na decisão, o juiz pontuou que o instrumento usado na prática do crime, no caso a faca, e a região atingida no corpo da vítima (pescoço), demonstrou “uma possível intenção homicida”.

“Diante das provas constantes nos autos, percebo que a acusação reúne os elementos mínimos necessários capazes de autorizar o julgamento pelo júri, ou seja, materialidade e indícios suficientes de autoria”, disse o magistrado na decisão.

Com informações da Contilnet

- Publicidade -
Copiar