24.6 C
Juruá
terça-feira, abril 23, 2024

Morre segundo estudante vítima de assassino em colégio do Paraná

Por Redação

- Publicidade -


Luan Augusto tinha 16 anos. Namorada dele também morreu. Assassino tem 21 anos e está preso.

Morreu na madrugada desta terça-feira (20) o estudante Luan Augusto, de 16 anos, no Hospital Universitário de Londrina (HU). Ele é a segunda vítima de disparos de arma de fogo feitos no Colégio Estadual Helena Kolody, em Cambé. 

A morte de Luan foi confirmada pela família. Na segunda-feira (19), ele foi atingido com tiros na cabeça por um ex-aluno do mesmo colégio, de 21 anos, que entrou na instituição dizendo que solicitaria documentos. O assassino está preso.

Luan estava internado em estado grave. Segundo o HU, ele estava em coma, com suporte respiratório e na UTI sob cuidados, mas não resistiu e a morte aconteceu por volta de 3h15. A família do estudante informou que autorizou a doação dos órgãos.

O assassino disse à polícia que escolheu as vítimas aleatoriamente. Ele fez pelo menos 16 disparos dentro do colégio, segundo o delegado-chefe da 10ª Subdivisão Policial, Amarantino Ribeiro.

Namorada também morreu

A aluna Karoline Verri Alves, 17 anos, namorada de Luan, morreu dentro do colégio logo após o assassino invadir o local e fazer os disparos. Ela foi atingida com um tiro na cabeça, segundo o Serviço de Atendimento Móvel (Samu). 

O corpo de Karoline está sendo velado nesta terça-feira (20). Em entrevista nesta segunda-feira, o pai da estudante falou sobre a personalidade da filha.

‘Minha filha é uma menina de ouro e não merecia o que aconteceu’, disse pai.
 
Após os disparos, a Polícia Militar (PM-PR) foi acionada e chegou ao local poucos minutos depois. Segundo a PM, foram apreendidos com o assassino uma machadinha, carregadores de revólver e a arma usada.

Assassino disse que não conhecia vítimas, segundo secretário
 
O secretário de Segurança Pública do Paraná, Hudson Teixeira, disse que o assassino não conhecia as vítimas. O assassino é investigado por homicídio, tentativa de homicídio e porte ilegal de arma de fogo. 

Segundo o secretário, o rapaz atirou no corredor do colégio e foi até o local em que as vítimas participavam de uma aula de Educação Física.

A Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp) informou que, além da arma, apreendeu com o assassino um caderno com anotações sobre ataques em escolas, incluindo o ataque em Suzano, em São Paulo.

A secretaria ainda informou que, em contato com a família do assassino, foi informada de que ele é esquizofrênico e que faz tratamento para a doença.

Outros suspeitos de participação no crime

Após a tragédia, um homem de 21 anos foi preso e um adolescente, de 13 anos, foi apreendido. Os dois são suspeitos de ajudar a planejar o ataque, segundo o secretário Hudson Teixeira. 

Alunos relatam terror

Em Cambé, as aulas na rede municipal e estadual estão suspensas por tempo indeterminado. 

Uma aluna, que não foi atingida pelos disparos, contou como ela e outros colegas foram ameaçados pelo assassino. Eles ficaram escondidos dentro da sala dos professores. Assista o vídeo acima. 

“Ele falou assim: se não abrir essa porta, vai todo mundo morrer aqui dentro. E a gente tava trancado na sala dos professores. A gente tentou sair correndo, mas aí nisso ele apontou a arma pra mim e pra mais cinco amigas minhas e deu um tiro. Só que a gente conseguiu sair”, disse uma estudante em entrevista à RPC.

Outra estudante disse que estava no refeitório com as amigas quando ouviu disparos. 

“Na hora a gente estava sentado no refeitório, eu e umas amigas. Na hora escutamos três tiros, tipo bombinha. Quando viramos, tinha um menino na fresta do portão. Aí a gente falou, não vamos fazer barulho e correr. Na hora que a gente viu, ele já tinha passado, por outro lado. Só via as faíscas do revolver saírem”, relatou.

Violência nas escolas
 
No Brasil, houve 31 ataques com violência extrema a escolas em pouco mais de 20 anos (entre janeiro de 2002 e maio de 2023), segundo estudo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Nesse período, 36 pessoas morreram, sendo: 

25 estudantes (15 meninas e 10 meninos);
quatro professoras;
uma coordenadora;
uma inspetora;
cinco atiradores (suicídio).
 
O balanço ainda não inclui o caso da escola em Cambé.

O que dizem as autoridades 
 
O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), decretou luto de três dias no estado e lamentou o caso. 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) também lamentou o ataque. 

“É urgente construirmos juntos um caminho para a paz nas escolas. Meus sentimentos e preces para a família e comunidade escolar.”
 
O ministro da Justiça, Flávio Dino, disse que o Brasil vive “a apologia à violência na palma das mãos dos jovens”. 

A Prefeitura de Cambé divulgou uma nota oficial na qual manifestou solidariedade e se colocando à disposição dos pais dos alunos. 

“Neste momento de imensa dor, nossos corações estão com as famílias das vítimas, que estão enfrentando uma perda irreparável. Oferecemos nosso mais sincero apoio e solidariedade, colocando à disposição todos os recursos e suporte necessários para auxiliá-las neste momento tão difícil.”

Com informações G1

- Publicidade -
Copiar