32.4 C
Juruá
sábado, junho 22, 2024

Carne Suína: surge uma nova potência nas exportações do Acre

Por Orlando Sabino, do AC24horas.

- Publicidade -

De tudo um porco - Sucesso no Campo

Nos primeiros 6 meses do ano o Acre já exportou mais de 220 toneladas de carne suína a mais que o mesmo período de 2022. Os dados são do SISCOMEX do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Governo Federal. A quantidade exportada já supera em mais de 55% o mesmo período do ano anterior.

Em termos de valores exportados, o aumento nos primeiros 6 meses do ano foi de 80,90%, superando em quase 700 mil dólares os valores do mesmo período do ano anterior. As quantidades tanto em dólares como em quilogramas, para cada ano, estão expressos no gráfico abaixo.

A abertura das exportações para o Peru foi um dos responsáveis pela excelente performance da carne suína no primeiro semestre do ano. O valor exportado em 6 meses, já tingiu 94% de tudo o que foi exportado do produto de 2022. Em termos de quantidade em quilogramas, o valor dos primeiros 6 meses do ano já atingiu 78,7% do que foi realizado em 2022.

Por sinal, nesses primeiros 6 meses do ano, somente a carne suína (80,9%) e a soja (16,8%), superaram os valores exportados no primeiro semestre de 2022. O valor total das exportações acreanas caiu 26,6% em relação ao mesmo período do ano passado, conforme pode ser observado na tabela abaixo:

Conforme entrevista do meu amigo Paulo Santoyo, um dos gerentes do Complexo agroindustrial do Alto Acre (Acreaves e Dom Porquito), prestada ao canal do Yotube do ac24horas, no dia 31/7, o empresário destacou o aumento da demanda do exterior pela carne suína da Dom Porquito. Outra informação importante é que hoje a produção acreana é insuficiente para atender a demanda existente. A empresa está importando matéria-prima de outros estados, principalmente de Mato Grosso.

Demanda internacional em alta

Em artigo do Valor Econômico do dia 31/7, escrito pela jornalista Lourdes Rodrigues, denominada – Carne suína: embarques a todo vapor – destaca a importância da carne suína no atual cenário do mercado mundial: https://valor.globo.com/publicacoes/especiais/revista-agronegocio/noticia/2023/07/31/carne-suina-embarques-a-todo-vapor.ghtml.

Na reportagem as exportações brasileiras do produto alcançaram 589,8 mil toneladas entre janeiro e junho deste ano, volume que supera em 15,6% os embarques realizados no mesmo período de 2022, com 510,2 mil toneladas. Ainda no primeiro semestre, a receita das exportações chegou a US$ 1,413 bilhão, saldo 26,7% superior ao resultado registrado entre janeiro e junho de 2022, de US$ 1,115 bilhão.

Entrevistado pelo Valor, o Sr. Luís Rua, diretor de mercados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) espera que os índices sigam em ritmo forte nos próximos anos, conforme os mercados internacionais reconheçam o status do Rio Grande do Sul e do Paraná, segundo e terceiro maiores produtores e exportadores de carne suína do país, além do Acre, como livres de aftosa sem vacinação”. Segundo Luís Rua, esse é um status relevante para acessar alguns dos maiores importadores mundiais de carne suína, como Japão, Coreia do Sul e México, que estão entre os quatro maiores, atrás apenas da China.

Criada em 2016, por intermédio de uma política pública do governo estadual, a Dom Porquito está ocupado o espaço que lhe cabe no mercado nacional e internacional da carne suína. O mercado está em expansão, existe a competência da empresa acreana para ocupar uma parcela deste mercado. Mas ainda não estamos aproveitando todas as janelas de oportunidades que a promissora atividade está apontando. Ainda não temos uma produção local de suínos para abastecer a Dom Porquito. Urge políticas públicas, sejam estaduais ou municipais, para criar uma forte ação para incentivar a produção local, com uma grande inclusão dos pequenos produtores rurais de todo o estado. Mercado tem, falta produto.


Orlando Sabino escreve às quintas-feiras no ac24horas

- Publicidade -
Copiar