29.2 C
Juruá
segunda-feira, maio 20, 2024

Modelo inovador de ressocialização de detentos é apresentado ao governo do Acre

Por Redação O Juruá em Tempo.

- Publicidade -

O Tribunal de Justiça do Acre (TJAC) apresentou ao governo do Estado nesta segunda-feira, 7, em Rio Branco, um modelo inovador de reintegração de detentos do sistema prisional à sociedade. Trata-se da metodologia utilizada pela Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) em vários presídios do país.

“Enquanto cumprem a pena, os presos são capacitados, estudam, participam de atividades religiosas e são preparados para o mercado de trabalho. Além disso, eles são os responsáveis por cuidarem da própria proteção e da administração da unidade prisional. O principal objetivo dessa iniciativa é colocar fim à reincidência na prática de crimes”, explica a desembargadora Regina Ferrari, presidente do TJAC.

Proposta de modelo inovador de ressocialização de detentos foi apresentada ao governo do Estado nesta segunda-feira, 7. Foto: Diego Gurgel/Secom

Criada em 1972, em São José dos Campos (SP), a Apac é uma iniciativa pioneira no mundo e se destaca pelo sucesso na ressocialização dos apenados. No Acre, a proposta contemplaria, primeiramente, reeducandas do presídio feminino da capital, por meio de um projeto piloto.

O governador Gladson Cameli parabenizou a iniciativa do Poder Judiciário e sinalizou o interesse do Estado em aderir o método. “É com a união de esforços que vencemos desafios como este. Sou totalmente favorável à recuperação dos presos e o governo está à disposição para que possamos avançar neste tema tão relevante”, pontuou.

Governador Gladson Cameli confirmou o interesse do Estado em utilizar a metodologia no Acre. Foto: Diego Gurgel/Secom

Danilo Lovisaro, procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Acre (MPAC), salientou a importância do projeto, bem como as vantagens asseguradas às pessoas privadas de liberdade. “Este é um sistema mais humanizado, que reduz custos para o Estado e se mostra bem mais eficiente se comparado à execução da pena no modelo tradicional”, observou.

A reunião contou ainda com a participação do secretário-chefe da Casa Civil, Jonathan Donadoni; do secretário de Justiça e Segurança Pública, José Américo Gaia; do desembargador Samoel Evangelista; do juiz da Vara de Execuções Penais da Comarca de Rio Branco, Hugo Torquato; e dos promotores de Justiça Rodrigo Curti e Tales Tranin.

- Publicidade -
Copiar