29.3 C
Juruá
segunda-feira, maio 27, 2024

Motorista do governo há quase 44 anos é condecorado pelo governador com a Ordem da Estrela do Acre

Por Redação O Juruá em Tempo.

- Publicidade -

Com mais da metade dos seus 76 anos de vida servindo ao governo do Acre como motorista na então representação em Brasília e hoje Secretaria de Assuntos Federativos (Serf), o servidor Antônio Cordeiro da Silva foi condecorado pelo governador Gladson Cameli, neste domingo, 6, com a Ordem da Estrela do Acre, no grau de Cavaleiro, em Rio Branco.

Governador homenageia servidor Antônio Cordeiro, motorista do Estado há quase 44 anos. Foto: Diego Gurgel/Secom

A comenda é oferecida para pessoas cujo trabalho prestado ao Estado seja considerado digno do reconhecimento. A homenagem foi realizada durante a inauguração do Museu dos Povos Acreanos, dentro das festividades do aniversário da Revolução Acreana.

“Seu Cordeirinho” – como o servidor é conhecido – recebeu a comenda das mãos do governador Gladson Cameli que, em uma das suas recentes viagens a Brasília, falou pessoalmente ao servidor da sua vontade de homenageá-lo e o convidou para ir ao Acre receber a honraria. Ao entregar a comenda para o servidor, o gestor destacou o profissionalismo, dedicação e discrição do servidor.

Governador afirmou-se orgulhoso de homenagear o sevidor, de 76 anos. Foto: Diego Gurgel/Secom

“O mínimo que um governador pode fazer é dizer muito obrigado pelo seu trabalho, pela sua dedicação”, disse o governador, que ressaltou a importância do reconhecimento ao trabalho do seu Cordeirinho, afirmando que também se estende aos demais servidores do Estado, “Cordeiros, Franciscos, Marias, servidores públicos que aqui se encontram, que amam, que se dedicam no dia a dia”, disse o governador, que ainda concluiu:  “Eu tenho orgulho de estar lhe homenageando”.

Antônio Cordeiro na cerimônia de condecoração entre o governador e o chefe da Casa Civil,  Jonathan Donadoni. Foto: Diego Gurgel/Secom

“É muita bênção”, resumiu seu Cordeirinho sobre a homenagem, afirmando-se privilegiado por trabalhar para o Acre e com os acreanos, destacando que ser laureado pelo governo consagra essa jornada. “Eu agradeço a Deus, por permitir que eu faça meu serviço direito,  com amor e sem problema. E ao governador, que sempre me tratou bem e faz esse reconhecimento ao meu trabalho”, declarou, agradecendo ainda a todos os colegas de trabalho e demais envolvidos, pelo apoio.

Desafio

Estatura pequena, coração grande, jeito amigável e sempre disposto a ajudar a todos, Antônio Cordeiro da Silva chegou à Serf próximo ao fim de 1978, quando era pago via recibo. Depois foi contratado, aposentou-se, voltou ao trabalho com cargo de confiança e continua na ativa. Somados os períodos iniciais e de contrato, são quase 44 anos de trabalho no mesmo órgão e na mesma função, o que significa mais da metade dos seus 76 anos, ou seja, da sua vida.

Essa história começou com um desafio surgido na juventude. Filho de Manoel Cordeiro e de Vicença Tertulina da Silva, seu Cordeirinho nasceu em Picuí, na Paraíba, numa família de 13 irmãos. Ele conta que não tinham muito dinheiro, mas não passavam necessidades. Ele mesmo tinha um bar e vivia tranquilo. Certo dia, colegas que vinham trabalhar em Brasília o desafiaram, apostando que ele não teria essa coragem. Mas Cordeirinhho disse que sim. “Vim pra manter a palavra”, lembra rindo.

Foi primeiro para Goiânia (GO). Mas não conseguiu enfrentar a altura dos andaimes das construções. “Quando olhei aquelas alturas, desisti”, conta rindo mas lembra que, na época, “a vida ficou difícil”. Em 1975, aos 18 anos, veio para Brasília buscando melhorias.

Gladson

Chegou na então Representação do Governo do Acre em 1978, já como motorista. Passou por diversas gestões e atendeu a 13 governadores: Geraldo Mesquita, Joaquim Macedo, Nabor Júnior, Iolanda Fleming, Flaviano Melo, Edson Cadaxo, Edmundo Pinto, Romildo Magalhães, Orleir Cameli, Jorge Viana (dois mandatos), Binho Marques, Tião Viana (dois  mandatos) e Gladson Cameli, que está no segundo do mandato.

Conheceu o governador Gladson Cameli quando o tio dele, Orleir, governava o Estado, “Ele ainda era novinho, vinha na Representação com o tio e sempre me tratava bem”, lembra.

Responsabilidade

Apaixonado pela profissão, Cordeirinho destaca a grande responsabilidade do motorista oficial, especialmente no transporte de autoridades, como governadores, e relata que fez treinamento focado nesse tipo de transporte. “É preciso muito cuidado para não acontecer nada com a autoridade e para que ela esteja a tempo em seus compromissos e em segurança”, diz, explicando que isso exige, por exemplo, equilíbrio com os veículos da segurança e cuidado redobrado no trânsito, para evitar transtornos.

Covid

Transtornos o servidor teve foi com a covid, que contraiu em 2021, foi entubado, teve sérias sequelas e escapou por milagre, como diz ter ouvido dos médicos. “Já recuperei os quilos e até mais do que perdi”, brinca hoje.

Governador e seu Cordeirinho na Serf, em Brasília, durante anúncio de que ele seria homenageado. Foto: Dilma Tavares/Ascom Serf

Aprendizado

Com o primeiro grau incompleto, o motorista garante que o trabalho foi seu grande aprendizado, que o ajudou a entender a importância das mais diversas iniciativas, especialmente em benefício do Acre.

Ele afirma, inclusive, que sempre reza para que os pleitos do governo em Brasília, especialmente tratados pelos servidores que transporta, tenham resposta positiva e agradece a Deus quando isso acontece. Também fica orgulhoso quando sabe de algum resultado exitoso a partir das tramitações em Brasília, inclusive porque, na sua função, percebe-se integrante do processo.

“Agora sou ainda mais acreano”, diz Cordeirinho, após ser condecorado. Foto: Diego Gurgel/Secom

Acre

Com mais da metade da vida trabalhando para o Acre, seu Cordeirinho se afeiçoou ao estado e se considera “um paraibano acreano”. Gosta do jeito amistoso dos acreanos e da comida local, que se acostumou a comer na Serf – levada pelos servidores – e que já comeu no próprio estado, onde já esteve a trabalho e de férias, com a família. “A carne é diferenciada, a comida tem outro gosto”, garante, relacionando, entre os pratos que aprecia, o tucupi, a farinha e o vatapá.

Hoje portador da Ordem da Estrela do Acre no grau de Cavaleiro, seu Cordeirinho garante: “Agora sou ainda mais acreano”.

- Publicidade -
Copiar