31.9 C
Juruá
segunda-feira, maio 20, 2024

Trio que fez pai e filha reféns em carro teria comprado ‘farda’ da polícia na Shopee

Por Redação O Juruá em Tempo.

- Publicidade -

Da esquerda para a direita estão o acusados: Ailton Moitozo Borges; Lucas Gomes de Lima, e Antônio Adrias da Costa Silva — Foto: Reprodução

O trio de assaltantes que fez pai e filha reféns, dentro de um carro, em frente a uma creche em Rio Branco, na última sexta-feira, 25, teria afirmado, em depoimento na Delegacia de Flagrantes (Defla), que obtiveram fardas da polícia no site de vendas Shopee. As informações são do G1 Acre.

Dois dos três envolvidos usavam vestimentas da Polícia Militar e Polícia Penal quando sequestraram as vítimas após um assalto malsucedido a uma oficina mecânica.

Um deles contou que estava sendo ameaçado pelo dono do estabelecimento, o que teria motivado a tentativa de roubo. Armas e drogas, possivelmente presentes na oficina, também estariam na mira dos assaltantes, segundo o depoimento obtido pelo site.

Ao ter o assalto frustrado pela chegada da polícia, o trio fugiu, ocasião em que encontrou pai e filha, de 6 anos, saindo da creche Cecília Meireles, no bairro Nova Esperança. O homem é um dos coordenadores da unidade de ensino. Eles foram mantidos reféns por cerca de duas horas até a rendição dos envolvidos, que afirmaram que realizaram o sequestro para não serem mortos pelas forças de segurança.

Na Shopee, não há itens relacionados à PM e à Polícia Penal do Acre, porém há vários fardamentos genéricos, que remetem a vestimentas policiais, que poderiam ser usadas de má fé, como o caso registrado na semana passada. A Gazeta do Acre entrou em contato com a PM, que, em nota, diz investigar a aquisição dos uniformes para tomar as devidas providências. Leia a íntegra:

“A forma de aquisição do uniforme será investigada e as providências serão tomadas. Infelizmente, a questão de utilização de uniformes e outros itens de certa categoria, para o cometimento de delitos, é uma preocupação não apenas da PM, mas de todas os órgãos, empresas, e setores que operam uniformizados (inclusive empresas privadas). O mundo globalizado oferta fácil acesso a esses itens. Mas o que estiver ao alcance da PMAC será realizado para minimizar esse tipo de situação”.

  • Fonte: A Gazeta do Acre.
- Publicidade -
Copiar