28.2 C
Juruá
terça-feira, maio 28, 2024

Emprego com carteira assinada cresce 0,47% com abertura de 448 novas vagas no Acre

Por Edmilson Ferreira, do AC24horas.

- Publicidade -
FOTO: GETTY IMAGENS/PRODUÇÃO

Os dados do Novo Caged, cadastro que mede o nível de emprego formal no país, demonstram que o Acre gerou em agosto 448 vagas de emprego com carteira assinada, mantendo a trajetória de saldo positivo observada ao longo de 2023.

O Acre abriu 4.406 novos postos e fechou 3.958, o que resultou no saldo positivo naquele mês e crescimento de 0,47%.   Já no  Brasil  foram registradas 220.844 vagas de trabalho formal, acumulando no ano (janeiro a agosto) um total de 1.388.062 vagas de emprego geradas. Com isso, o estoque de emprego formal chegou a 43.832.487 postos no mês, uma variação de 0,51% em relação ao mês anterior.

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (2) pelo Ministério do Trabalho.  Segundo o ministro Luiz Marinho, “a expectativa é de crescimento e que até o final do ano o país possa gerar cerca de 2 milhões de empregos formais”.

O saldo do mês é o reflexo de 2.099.211 admissões contra 1.878.367 desligamentos. No ano, as admissões alcançaram 15.937.956 postos, sendo desligados 14.549.894 trabalhadores. O setor de serviços foi o maior gerador de empregos em agosto, chegado a 114.439 postos gerados no mês e 771.130 vagas no ano. O setor do Comércio gerou em agosto 41.843 empregos, a indústria 31.086, a Construção 28.359 e Agropecuária 5.126. No ano, a Construção Civil ficou em 2ª lugar (222.925 postos gerados), seguido da Indústria (187.573), Agropecuária (105.422) e Comércio (101.032).

Entre os estados, todos tiveram geração positiva do emprego no mês, com destaque para São Paulo, que teve o melhor desempenho, gerando 65.462 postos no mês, seguido do Rio de Janeiro (18.992) e Pernambuco (15.566). Os menores saldos foram verificados no Espírito Santos (315), no Acre (448) e em Roraima (689). No acumulado do ano, São Paulo gerou 386,5 postos, seguido de Minas Gerais (171.3) e Rio de Janeiro (105.5).

O Cadastro também demonstra pequeno crescimento no salário de admissão e desligamento, que chegou a R$ 2.037,90 e R$ 2.121,90 em agosto, respectivamente, sendo maior para o grupo masculino, que chegou a R$ 2.116,47, contra R$ 1.924,51 alcançado pelo grupo feminino. O Caged também demostra que 619.227 trabalhadores deram entrada no pedido de Seguro-Desemprego em agosto, contra 592.364 em julho.

O saldo por sexo registra que foram 128.405 vagas geradas para homens e 92.439 para mulheres. A maior geração ocorreu na faixa etária de 18 a 24 anos (124.669) e em relação à raça ou cor, a maioria das vagas geradas foram para pardos (130.917), brancos (56.099) e negros (20.738).

- Publicidade -
Copiar