36 C
Juruá
quinta-feira, fevereiro 22, 2024

99,3% da malha rodoviária pavimentada do Acre é considerada regular, ruim ou péssima

Por Raimari Cardoso, do AC24horas.

- Publicidade -

Divulgado nesta quarta-feira (29), o maior levantamento sobre infraestrutura rodoviária no Brasil, realizado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), que se encontra na sua 26ª edição, traça um panorama do cenário das condições das rodovias brasileiras.

O levantamento deste ano avaliou 111.502 quilômetros de rodovias pavimentadas, o que corresponde a 67.659 quilômetros da malha federal (BRs) e a 43.843 quilômetros dos principais trechos estaduais.

No Brasil, 67,5% da malha rodoviária pavimentada é considerada regular, ruim ou péssima. Para recuperar as rodovias — com ações emergenciais como reconstrução, restauração e manutenção — são necessários R$ 94,12 bilhões.

De acordo com a CNT, o Novo PAC prevê R$ 185,80 bilhões em investimentos para o modo rodoviário, dos quais R$ 112,8 bilhões são da iniciativa privada (60,7%) e R$ 73,0 bilhões do governo federal (39,3%).

No caso do Acre, esse dado é alarmante: Em 2023, foram analisados 1.346 km no Acre, que representam 1,2% do total pesquisado no Brasil, e o resultado aponta que 99,3% da malha rodoviária pavimentada avaliada do estado apresenta algum tipo de problema, sendo considerada regular, ruim ou péssima, ou seja, apenas 0,7% da malha é considerada ótima ou boa.

Com relação à sinalização, 92,4% da extensão da malha rodoviária do estado é considerada regular, ruim ou péssima; 7,6%, ótima ou boa; 39,6% está sem faixa central; e 59,3% não tem faixas laterais.

Quanto ao traçado (geometria da via), 100,0% da extensão apresenta algum tipo de problema; 0,0% está ótima ou boa; as pistas simples predominam em 93,4%; falta acostamento em 99,3% dos trechos avaliados; e 48,5% dos trechos com curvas perigosas não têm sinalização.

O estudo identificou 385 pontos críticos nas rodovias avaliadas no estado e as condições do pavimento geram um aumento de custo operacional do transporte de 74,8%, o que se reflete na competitividade do Brasil e no preço dos produtos. Para recuperar as rodovias no Acre, com ações emergenciais (reconstrução e restauração) e de manutenção, é necessário R$ 1,58 bilhão, segundo o estudo.

Custo dos acidentes

O prejuízo gerado por acidentes no Acre foi de R$ 46,11 milhões em 2022. No mesmo ano, o governo gastou R$ 0,00 milhão com obras de infraestrutura rodoviária de transporte.

Meio ambiente

Em 2023, estima-se que haverá um consumo desnecessário de R$ 24,0 milhões de litros de diesel devido à má qualidade do pavimento da malha rodoviária no estado. Esse desperdício custará R$ 158,17 milhões aos transportadores.

Investimentos

Do total de recursos autorizados pelo governo federal para a infraestrutura rodoviária, especificamente no Acre, em 2023 (R$ 91,66 milhões), foram investidos R$ 9,24 milhões até setembro (10,1%).

- Publicidade -
Copiar
error: Alert: O conteúdo está protegido !!