36 C
Juruá
quinta-feira, fevereiro 22, 2024

Em operação, PF investiga advogados que são ‘canais de informações’ para facções dentro e fora de presídio

Por Redação O Juruá em Tempo.

- Publicidade -

 

A Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (FICCO), composta pela Polícia Federal, Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar e Polícia Penal, deflagrou nesta quinta-feira (30), a Operação Cupiditas, com o objetivo de desmantelar uma rede de transmissão de ordens de líderes de organização criminosa, que estão presos na Penitenciária Antônio Amaro Alves, para integrantes que estão em liberdade. A rede contava com a participação de advogados.

Cerca de 40 policiais cumprem 5 mandados de prisão preventiva e 6 mandados de busca e apreensão em dois estados: Acre e Espírito Santo.

A investigação teve início em janeiro de 2023 e revelou um esquema organizado capitaneado por alguns advogados que se utilizavam de suas prerrogativas para intermediar a transmissão de mensagens dos chefes da organização criminosa para membros das ruas, com a finalidade de manter a condução e organização dos trabalhos criminosos, tendo em vista que aqueles se encontram encarcerados.

Também foi apurado que um desses advogados teve contato direto, à mando dos principais líderes da organização no Acre, com importante liderança dessa organização no Rio de Janeiro, com a finalidade de pleitear demandas em nome daqueles.

Os investigados, a princípio, responderão pelos crimes de integrar organização criminosa, cuja pena é de reclusão de 3 a 8 anos, além de eventuais delitos relacionados.

A operação foi chamada de “Cupiditas” – que no latim significa ganância – em alusão aos investigados que a todo tempo se utilizavam de garantias e direitos para ascenderem na organização criminosa.

  • Fonte: Contilnet.
- Publicidade -
Copiar
error: Alert: O conteúdo está protegido !!