30.1 C
Juruá
quarta-feira, junho 12, 2024

Poeta acreana vence Torneio Singulares em São Paulo

Por redação.

- Publicidade -

No palco da Jornada Latines, a talentosa poeta acreana Natielly Castro, conhecida como Natidepoesia, não apenas recitou versos, como fez história.

Na última sexta-feira, 17, Natidepoesia venceu o 3° Torneio Singulares, em São Paulo (SP). A artista que participou de uma competição exclusivamente composta por mulheres, travestis, pessoas transmasculinas e não binárias, levou a força da poesia acreana para o cenário nacional, conquistando o público e transmitindo sua potência criativa.

“O mais impactante foi conseguir levar a mensagem do Acre, ser ouvida, se sentir acolhida, se sentir protagonista da própria história e acima de tudo representar o nosso Acre como um estado que produz, que tem uma potência criativa, que tá em movimento o ano inteiro e que merece estar em todos os espaços”, afirmou a poeta.

O torneio é parte da segunda edição da Jornada Latines, promovida pela Coletiva Slam das Minas SP, uma batalha de poesia com ênfase em questões de gênero. Seu propósito é abordar temas feministas e sociais, além de fomentar discussões sobre racismo, machismo e LGBTfobia.

A programação do 3° Torneio Singulares contou com a participação de 14 poetas de 11 estados brasileiros, incluindo Bahia, Pernambuco, Brasília, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Pará, São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Paraná.

Imersa em tanta história e tantos talentos, Natielly mostrava ao público suas palavras enquanto trilhava em seus pensamentos.

“Antes de subir no palco eu só pensava: ‘você precisa terminar toda a sua poesia’. E na hora que eu estava recitando a minha poesia eu ficava pensando em cada pessoa que fazia esse movimento no Acre. Ficava pensando no nosso coletivo, no nosso trabalho. E pensando que ali era o momento que era para dar o melhor de mim, fazer de fato uma representação do que a gente faz aqui no Acre”, afirmou.

Campeã do evento, a acreana celebrou a conquista. “Depois de recitar, parecia que aquilo não era real, parecia que eu estava vivendo um sonho ou qualquer coisa desse tipo. Recitar e falar minha poesia nesse espaço foi como se fosse uma realização também profissional, mas uma realização coletiva”.

Fonte: E-pope

- Publicidade -
Copiar