36 C
Juruá
quinta-feira, fevereiro 22, 2024

Conheça o TAB, transtorno que fez Lucas Lucco pausar a carreira

Por G1

- Publicidade -

O cantor sertanejo Lucas Lucco, de 32 anos, anunciou nas redes sociais que se afastará da carreira para focar na saúde mental e no tratamento de Transtorno Afetivo Bipolar (TAB). A síndrome, que afeta cerca de 8 milhões de brasileiros, é mais comum do que se pensa e atrapalha várias esferas da vida dos afetados.

O TAB é uma condição associada à interação entre fatores biológicos, neuroquímicos e ambientais. Também está relacionada a transmissão hereditária. De acordo com dados da Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (Abrata), os sintomas geralmente se manifestam entre os 18 e 25 anos.

Entre os mais conhecidos sintomas estão as alterações do humor, entre episódios de depressão, períodos de mania ou hipomania, e fases de sentimentos mistos. Essas oscilações, claramente definidas, podem persistir por alguns dias até meses.

g1 conversou com a psicóloga Débora Carvalho para saber mais das dificuldades enfrentadas por pacientes que têm esse diagnóstico.

Os tipos de TAB

Débora explica que existem tipos de transtornos dentro do TAB: o tipo I, o tipo II e o ciclotímico.

“No tipo I, o transtorno é caracterizado por episódios alternados de mania e depressão. Durante a mania, o paciente tem mais energia, euforia, acha que tem mais condições físicas, financeiras e emocionais do que realmente tem. Essa crise se alterna com episódios de depressão, de melancolia. Existem também momentos de eutímia, que são os momentos de emoções ditas ‘normais'”, disse a psicóloga.

Durante episódios de mania, Débora disse que se bebe mais do que se pode, se compra mais do que se pode e os pacientes tendem a acreditar que podem mais, em diversos parâmetros da vida, tudo devido ao momento eufórico e à impulsividade.

No tipo II da doença, os episódios de depressão se alternam com episódios de hipomania, uma espécie de mania “menos destacada”. Ainda assim, o problema afeta a vida cotidiana do paciente, como a primeira classificação da doença.

Ambos os tipos do transtorno afetam aspectos como o sono, a fome, o comportamento.

“A partir dessas percepções de alteração desses aspectos, o paciente percebe que está entrando em algum episódio de é possível prevenir as recaídas através do tratamento com psiquiatra e psicólogo”, explica Débora.

O diagnóstico e o preconceito

O diagnóstico é feito em conjunto entre psiquiatra e psicólogo.

“O diagnóstico é importantíssimo, feito de acordo com a observação desses dois profissionais com os critérios que existem para o diagnóstico, olhando todo o histórico de vida da pessoa, observando o que gera os episódios, por exemplo.”, conta Débora.

Não há cura, mas se fala em “remissão”, ou seja, quando o paciente consegue ter tanto conhecimento de si que previne as recaídas de crises, com a ajuda do processo terapêutico e o uso de medicação.

Débora explica que como todo diagnóstico, o de TAB carrega estereótipos distorcidos.

“As pessoas confundem muito, acham que a bipolaridade é uma flutuação de humor com um período curto entre um episódio e outro, mas são semanas, meses.”

Tratamento gratuito

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza atendimento para pessoas em sofrimento psíquico por meio dos serviços da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS).

A RAPS é composta por diferentes equipamentos: Unidades Básicas de Saúde (UBS), que idealmente deve ser a “porta de entrada” do cuidado em saúde mental, os Consultórios de Rua, Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), Unidades de Acolhimento (adulto e infanto-juvenil), Serviços Hospitalares de Referência (leitos em hospitais gerais), leitos em hospitais psiquiátricos e equipes multiprofissionais de atenção especializada em saúde mental (AMENT).

Serviços de saúde de caráter aberto e comunitário, constituído por equipe multiprofissional e que atua sobre a ótica interdisciplinar, podem ser encontrados.

- Publicidade -
Copiar
error: Alert: O conteúdo está protegido !!