30.6 C
Juruá
quinta-feira, fevereiro 22, 2024

Delação de Cid levou PF ao coração do golpismo

Por Folha de São Paulo.

- Publicidade -

As articulações para manter Jair Bolsonaro no cargo se davam com desenvoltura no coração do governo. Uma equipe formada por políticos, militares, operadores e agitadores digitais dava expediente nos palácios, ministérios e quartéis.

Os alvos da operação da Polícia Federal nesta quinta-feira (8) são alguns dos principais integrantes dessa conspiração, liderada de maneira pouco discreta por Bolsonaro. Ainda que houvesse barulho em público, a revelação dos detalhes do envolvimento de cada personagem dependeu de uma testemunha com acesso privilegiado à trama golpista.

A delação do coronel Mauro Cid, auxiliar inseparável de Bolsonaro, abasteceu a ação da PF contra a cúpula da organização. Foi o ajudante de ordens da Presidência o autor de depoimentos que apontaram o papel de dois nomes da operação: o ex-assessor Filipe Martins e o almirante Almir Garnier dos Santos.

Este é Mauro Cid

Cid revelou episódios que deram materialidade ao complô e derrubaram a versão de que a tentativa de golpe era um delírio de vovós ou militantes amalucados. Segundo o coronel, após a derrota na reeleição, Martins levou ao presidente a minuta de um decreto para segurar Bolsonaro no poder, convocar novas eleições e prender adversários.

A atuação do então presidente como líder fica clara no relato de Cid. O auxiliar afirmou que Bolsonaro apresentou o plano aos chefes das Forças Armadas e acrescentou que Garnier, comandante da Marinha, foi o único a se manifestar favoravelmente à investida golpista.

Além dos personagens delatados por Cid, a ação da PF chegou a personagens que agiram publicamente por esse objetivo. Aí estão o general Walter Braga Netto, que inaugurou a instrumentalização do Ministério da Defesa para detonar a credibilidade das urnas eletrônicas, e Valdemar Costa Neto, que usou o PL como veículo para contestar a votação.

A operação atinge o alto escalão de uma máquina que usava recursos políticos e militares para interferir no processo democrático.

  • Por Bruno Boghossian, da Folha de São Paulo.

- Publicidade -
Copiar
error: Alert: O conteúdo está protegido !!