30.9 C
Juruá
domingo, junho 16, 2024

Corpo de biomédica vítima de queda de avião deve chegar ao Acre hoje à noite após atraso de funerária

Por Redação O Juruá em Tempo.

- Publicidade -

O corpo da biomédica Amélia Cristina Rocha, de 28 anos, vítima da queda de um avião em Manoel Urbano, deve chegar ao Acre na noite desta terça-feira, 28. O traslado, que deveria ter ocorrido na noite de segunda-feira (27), foi atrasado devido a um erro da funerária responsável, que perdeu o horário do embarque.

Amélia Rocha faleceu na última sexta-feira, 24, no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, em Manaus. Ela é a terceira vítima fatal do acidente aéreo ocorrido em março deste ano, em Manoel Urbano, interior do Acre. A jovem estava internada na unidade desde 21 de março, após ser transferida pelo Tratamento Fora do Domicílio (TFD) para receber cuidados especializados.

O corpo de Amélia, que deveria ter saído de Manaus na noite de segunda-feira, 27, tem agora previsão de embarque na madrugada desta terça-feira, 28, por volta das 3h, e deve chegar ao Acre somente à noite. Com isso, o velório e o enterro de Amélia, que estavam inicialmente previstos para acontecer na manhã e tarde desta terça-feira, 28, foram adiados.

O velório ocorre a partir das 23 horas desta terça, na Capela São Francisco, em Rio Branco. E o sepultamento às 9 horas de quarta, 29, no Cemitério São João Batista.

O acidente que vitimou Amélia envolveu um avião Cessna Skylane 182, que caiu logo após decolar de Manoel Urbano. A aeronave, com capacidade para quatro pessoas, transportava sete passageiros e o piloto no momento da queda e não tinha autorização para operar como táxi aéreo. O avião caiu a cerca de um quilômetro da cabeceira da pista, durante um voo que tinha como destino Santa Rosa do Purus.

O piloto da aeronave, Valdir Roney Mendes, de 59 anos, permanece internado no Centro de Tratamento de Queimados do mesmo hospital que Amélia estava. Apesar de ter sido extubado no último dia 8, seu estado de saúde ainda é considerado grave.

  • Fonte: A Gazeta do Acre.
- Publicidade -
Copiar