30.6 C
Juruá
segunda-feira, julho 22, 2024

Em 18 meses, Mais Médicos cresce 44,37% no Acre

Por Redação O Juruá em Tempo.

- Publicidade -

O estado do Acre registrou crescimento de 44,3% no número de profissionais em atividade no programa Mais Médicos. Em 18 meses, segundo dados divulgados pelo Governo Federal, o total saltou de 151 para 218. Do total de médicos e médicas ativas no Acre, 206 são brasileiros (94,49%), 51,83% são mulheres; 108 profissionais têm entre 30 e 39 anos. Há uma vaga do programa ocupada por indígena, enquanto 34,86% são brancos e 44,04% são pretos ou pardos.

Quanto ao tipo de equipe e onde estão alocados os profissionais do Mais Médicos, 195 integram equipes de Saúde da Família, enquanto 195 estão em área de médio, alto ou muito alto Índice de Vulnerabilidade da Saúde (IVS).

A capital Rio Branco registrou crescimento de 45%. A cidade conta agora com 68 médicos e médicas — recebeu 21 novos profissionais entre janeiro de 2023 e junho de 2024. Em dezembro de 2022, eram 47.

NACIONAL — Em dezembro de 2022, 12.843 profissionais estavam na ativa. Desde 2023, com a recomposição, o Governo Federal quase dobrou a quantidade de profissionais e implementou melhorias no modelo.

No início de julho, o Ministério da Saúde anunciou um novo edital para a contratação de 3,1 mil profissionais. A seleção traz, de forma inédita, vagas no regime de cotas para pessoas com deficiência e grupos étnico-raciais, como negros, quilombolas e indígenas.

“O Mais Médicos é uma realidade e faz a diferença. Quando assumimos o governo, havia ainda 12 mil médicos. Com esse edital, nós retomamos a meta dos 28 mil médicos. Pela primeira vez o edital é feito seguindo a política de cotas aprovada em lei que é prioridade do Governo Federal. Cumprimos, assim, a nossa visão de inclusão”, afirmou a ministra da Saúde, Nísia Trindade.

O Mais Médicos integra um conjunto de ações e iniciativas para o fortalecimento da Atenção Primária à Saúde, porta de entrada preferencial do Sistema Único de Saúde (SUS). É neste atendimento que 80% dos problemas de saúde são resolvidos.

O programa existe para enfrentar também desigualdades regionais. Leva médicos a regiões onde há escassez ou ausência de profissionais e investe na qualificação e formação, no intuito de resolver a questão emergencial do atendimento básico, mas também criando condições para continuar a garantir um atendimento qualificado no futuro para aqueles que acessam cotidianamente o SUS.

Infográfico 1 | Quadro de crescimento do programa Mais Médicos no país, nos últimos 18 meses
Infográfico 1 | Quadro de crescimento do programa Mais Médicos no país, nos últimos 18 meses

REGIÕES — Quando considerados os números absolutos de médicos e médicas do programa, o Nordeste é a região com maior número de vagas ocupadas (8.362), seguido do Sudeste (7.435). Por estado, os três com maior número de profissionais são São Paulo (3.288), Minas Gerais (2.219) e Bahia (2.127).

Também são destaques os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI). Há distritos, como o Yanomami, em Boa Vista (RR), que em dezembro de 2022 contava com oito profissionais do Mais Médicos. Em junho de 2024 são 36 ativos (crescimento de 350%). No Mato Grosso do Sul, o DSEI saltou de oito (em dez/22) para 39 profissionais ativos em junho de 2024 (crescimento de 387,5%).

QUEM SÃO — Do total de médicos e médicas ativos, 22.965 são brasileiros (92,25%), 53,45% são mulheres; quase 12 mil profissionais têm entre 30 e 39 anos. Há 88 vagas do programa ocupadas por indígenas, enquanto 36,54% são pretos ou pardos e 53,98% são brancos. Quanto ao tipo de equipe onde estão alocados os profissionais do Mais Médicos, 24.243 integram equipes de Saúde da Família (eSF) e 14.942 estão em regiões de médio, alto ou muito alto Índice de Vulnerabilidade da Saúde (IVS).

Por Governo Federal

- Publicidade -
Copiar