Após 72h de buscas por professor da Ufac que sumiu no Rio Juruá, bombeiros suspendem mergulhos

Após três dias de buscas pelo professor Gleisson Oliveira, de 33 anos, o Corpo de Bombeiros suspendeu os mergulhos, nesta quarta-feira (11). De acordo com a corporação, a equipe segue fazendo buscas superficiais no local por mais 48 horas.

O professor desapareceu no Rio Juruá, em Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, na madrugada de segunda-feira (9), quando tomava banho com duas meninas. Oliveira sumiu no trecho da travessia da balsa entre os municípios de Cruzeiro do Sul e Rodrigues Alves.

Quatro mergulhadores fizeram buscas desde o desaparecimento do professor em uma extensão de cerca de mil metros do local do acidente. Para ajudar nas buscas, os bombeiros também contaram com o apoio da Marinha, que está controlando o fluxo das embarcações nos locais de mergulho da equipe de buscas.

Conforme o major Cláudio Falcão, o protocolo dos bombeiros determina que os mergulhos sejam feitos somente até o terceiro dia, depois disso as buscas são feitas de forma superficial, ao longo do manancial.

Conforme o major Cláudio Falcão, o protocolo dos bombeiros determina que os mergulhos sejam feitos somente até o terceiro dia, depois disso as buscas são feitas de forma superficial, ao longo do manancial.

“O corpo de bombeiros não suspendeu as buscas. O rio está bastante cheio e por ser área de barranco, também dificulta ainda mais, além de muita correnteza no local. A partir da 17h desta quarta [11], está prevista a suspensão dos mergulhos para fazermos buscas superficiais por mais 48 horas. Havendo necessidade, nós retornaremos com mergulhos e também com buscas superficiais após esse prazo”, informou o major.