Baixo nível do Rio Juruá dificulta o tráfego de embarcações e ameaça abastecimento de municípios

Com a chegada do período de estiagem, os rios e igarapés costumam perder um grande volume de água. No Vale do Juruá não é diferente, mas há um agravante. O baixo nível do Rio Juruá dificulta o tráfego de médias e grandes embarcações e prejudica o transporte de mercadorias.

Francisco Roberval é comandante de uma embarcação que transporta produtos para Marechal Thaumaturgo. Segundo ele, a viagem que costuma ser feita em três dias pode levar até oito dias.

“É complicado chegar, mas a gente leva de sete a oito dias pra chegar em Marechal Thaumaturgo. No inverno, fazemos essa viagem em três dias. Tem trecho que precisamos cair na água e ajudar, às vezes precisa da ajuda de outras embarcações”, disse.

Com anos de experiência, o barqueiro Luiz Elison diz que nunca viveu um verão tão rigoroso. “Os barcos grandes passam quinze dias subindo para os municípios. Esse é o verão mais rigoroso, e olha que eu tenho muitos anos de experiência”.

Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros em Cruzeiro do Sul, capitão Oliveira, apesar das dificuldades, as embarcações ainda conseguem trafegar. Porém, ele alerta para que barqueiros e moradores em geral tenham cuidado com alguns trechos do manancial.

“Pedimos que as pessoas que fazem esse trajeto tenham cuidado por que já está difícil a navegação em alguns trechos. É importante que observem a questão do assoreamento, existem muitos bancos de areia, muitos troncos, e é importante que as pessoas tenham cuidado, principalmente a noite”.