Bombeiros têm férias e folgas suspensas para atender demanda de queimadas no Acre

O Comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Acre (CBM-AC) suspendeu as férias e folgas da corporação no estado por causa das queimadas. A medida foi adota desde quando o estado declarou situação de alerta ambiental, no dia 16 de agosto. E na sexta-feira (23), o estado decretou emergência.

De acordo com a Secretaria do Meio Ambiente, o número de queimadas aumentou consideravelmente no Acre, se comparado ao ano passado. De janeiro até 22 de agosto do ano passado, foram registradas 852 queimadas. Este número saltou para 2.498 entre janeiro até 20 de agosto deste ano – um aumento de mais de 190%.

Se considerados apenas os dias de agosto o acréscimo é relevante. De 1º a 22 de agosto de 2018, foram 408 focos de queimadas, que subiram para 2.123, aumentando em mais de 400% o número de registros.

Com a situação crítica, o assessor de comunicação dos bombeiros, major Cláudio Falcão, disse que este é um procedimento padrão dentro da corporação. Desta forma, quem estava em férias durante o mês de agosto precisou retomar ao trabalho. As folgas, licenças e férias para o mês de setembro também foram suspensas.

“As pessoas que estavam com previsão de férias ou qualquer outro tipo de licença, em tempos de crise é suspenso automaticamente. Nós trabalhamos por escala e a gente reduz essa quantidade de horas de folga. Fazemos todo um plano para poder adequar as nossas necessidades”, informou Falcão.

Ainda conforme Falcão, o efetivo atual dos bombeiros é de pelo menos 498 militares em todo o estado e, por ser considerado um efetivo pequeno, é necessário tomar essas medidas de forma antecipada.

A medida de urgência partiu da necessidade e momento crítico de queimadas no estado, que levou o governo a decretar, na sexta-feira (23), estado de emergência devido ao período de estiagem no estado e ao número de queimadas.

“O procedimento padrão é, a partir do momento que nós entramos em situação de emergência, em situação de crise, seja ela na enchente, seca, ou outras situações que enfrentamos, é automático a suspensão de folgas e férias”, explica.

Por Alcinete Gadelha – G1