Cerca de 6 mil inquéritos policiais de casos de violência doméstica são digitalizados no Acre

Cerca de seis mil inquéritos policiais de casos de violência doméstica que tramitam na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), em Rio Branco, foram digitalizados pela Justiça do Acre.

A virtualização dos inquéritos, segundo a delegada da Deam, Juliana de Angelis, vai dar mais celeridade e economia aos casos.

“Com certeza ganharemos com celeridade, vez que todas as peças serão feitas eletronicamente, ou seja, com comunicação e envio ao judiciário no mesmo momento em que se encaminha. Além de economia de insumos como papel, toner, combustível de viatura e remanejamento do policial responsável pela entrega para atividades fins da Polícia Civil”, disse a delegada.

Conforme a delegada, na Deam existem 6,2 mil inquéritos em tramitação e foram digitalizados apenas os de violência doméstica. Os outros 200 casos, que seguem em versão física, envolvem crimes fora do âmbito doméstico, como por exemplo, estupros e importunação sexual.

Informação mais segura e melhor gerenciamento

Os inquéritos foram digitalizados em três semanas por uma equipe formada por servidores da Deam e do poder judiciário, segundo explicou o juiz auxiliar da Corregedoria Geral do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC), Leandro Gross.

Conforme o magistrado, a medida foi tomada após uma reunião em que foi apresentada a situação dos inquéritos que estavam físicos na delegacia. O trabalho foi dividido em três etapas, sendo que um grupo fazia a higienização dos inquéritos, retirando grampos, clipes e sujeiras, outro virtualiza os papéis e, por fim, era feito o cadastro dos inquéritos no sistema.

“Hoje, nós vamos evitar que inquéritos prescrevam e vamos ter uma informação mais segura. A digitalização vem de uma forma muito positiva para a gente poder gerenciar melhor essa questão dos inquéritos da Vara de Proteção à Mulher. Além de não permitir que mulheres que foram agredidas fiquem sem uma resposta positiva e o agressor receba a punição devida”, afirmou Gross.

Por Iryá Rodrigues