Cidades do Acre não aderiram ao programa de escola cívico-militar do MEC

Presidente da República, Jair Bolsonaro durante Cerimônia Comemorativa do Dia do Exército, com a Imposição da Ordem do Mérito Militar e da Medalha do Exército Brasileiro.

Todas as prefeituras do Acre perderam o praz para se inscreverem programa de escolas cívico-militar, anunciado no início de setembro pelo Ministério da Educação.

O Governo do Estado, porém, fez a adesão e irá implantar duas novas unidades em Sena Madureira e Brasiléia por meio do programa federal. Contudo, a meta do governador Gladson Cameli, é que esse modelo de ensino seja reproduzido na maioria das cidades acreanas, ao longo do mandato.

Segundo o secretário de Planejamento, Manoel Orleilson, os critérios estabelecidos pelo MEC impediam que os municípios realizassem a adesão. “ No Acre, as escolas de ensino médio são de competência do Estado. Por isso, que os municípios do Acre não se encaixam nos princípios estabelecidos. Na semana que vem, o secretário Ilderlei Cordeiro vai a Brasília solicitar que os municípios possam aderir ao programa”, explicou.

Podem aderir ao programa o Distrito Federal e os estados que possuam escolas que atendam os seguintes critérios: Escola em situação de vulnerabilidade social e com baixo desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB); Escola localizada na capital do estado ou na respectiva região metropolitana; Escola que ofereça as etapas Ensino Fundamental II e/ou Médio e, preferencialmente, atenda de 500 a 1000 alunos nos dois turnos; Escola que possua a aprovação da comunidade escolar para a implantação do modelo.