Comunidade que leva nome de Santo Antônio faz fogueira de 13m para homenagear padroeiro em Mâncio Lima

A construção de uma grande fogueira, para festejar o encerramento do novenário de Santo Antônio, já é tradição há mais de 30 anos em uma comunidade de Mâncio Lima. Os moradores da localidade, que tem o mesmo nome do padroeiro, este ano, levaram três dias para levantar a estrutura de madeira que será queimada na noite desta quinta-feira (13).

A obra envolve praticamente todos da comunidade. No primeiro dia, um grupo de mais de 20 homens retira a lenha na floresta, enquanto outra turma cuida do transporte para o local do festejo. Depois, as equipes se unem e levam mais dois dias para fazer o trabalho de montagem da fogueira.

Os organizadores do evento contam que em anos anteriores, os serviços eram mais complicados e demoravam mais por serem feitos todos de forma manual. Atualmente, a comunidade recebe o apoio da prefeitura que envia caminhões para transportar a madeira e máquinas para erguer os quatro pilares que sustentam a fogueira.

Para empilhar as hastes de lenha até chegar a altura de 13 metros, os moradores formam uma espécie de torre humana e passam as peças de mão em mão até chegar ao topo. É um trabalho demorado que eles fazem com muita atenção para evitar qualquer incidente.

A comunidade mantém a tradição para homenagear o santo protetor e com a fé de dias melhores para os que acreditam na proteção de Santo Antônio.

“A gente faz isso todo ano no dia de Santo Antônio, porque a gente pede muito a ajuda dele. Dá pra ver que é um trabalho até perigoso, mas, como temos a proteção dele, nunca aconteceu nenhum imprevisto na nossa comunidade”, diz o líder comunitário Genival Matos.

Os moradores já chegaram a construir uma fogueira de até 17 metros, mas, este ano, decidiram fazer um pouco menor, com 13 metros. A fogueira será queimada a partir das 19h e deve levar mais de 24 horas pegando fogo.

No momento da procissão de Santo Antônio, o padre faz a benção da fogueira e os devotos aproveitam para fazer seus agradecimentos e pedidos ao santo casamenteiro. A comunidade aguarda mais de mil visitantes para o encerramento do novenário.

“A gente aguarda até ela cair, que é a hora mais emocionante que tem. E na hora que a procissão passa, as pessoas fazem seus pedidos”, afirmou matos que agradece a Santo Antônio pela família que construiu durante os anos que cuida da organização da festa do padroeiro.

Por Mazinho Rogério