Dentista acusa policial civil de agressão no Acre: ‘empurrou minha esposa grávida e veio pra cima de mim’

O dentista Cassius Hassem e a mulher dele, que está grávida de 5 meses, acusam o policial civil Elton André Antunes de agressão física, verbal e de invasão. A confusão ocorreu na noite do último domingo (29) quando o casal chegava em casa e encontrou o policial bebendo em frente da residência, no bairro Pôr do sol, em Epitaciolândia, interior do Acre.

O G1 entrou em contato com o policial por várias vezes pelo celular, mas até a publicação desta reportagem não obteve sucesso.

Um vídeo, gravado pelo dentista, mostra parte do bate boca entre a esposa do dentista, Maria Deisian Hassem, e o policial civil, que seria de Rio Branco.

A confusão começou após o dentista repreender o cachorro da família por ter rasgado uma sandália e um sapato. Segundo Hassem, o policial, que estava de folga e bebia com alguns amigos em um bar em frente da casa, teria ouvido e foi até a entrada da casa tirar satisfação.

‘”Já foi me insultando. Falou ‘ei, vagabundo, tá batendo no cachorro seu covarde, vem aqui fora bater em mim’. Eu falei ‘rapaz, olha o que ele fez com minha sandália, por isso repreendi ele’. Minha esposa disse para não entrar na nossa casa. Falou que era policial e que eu estava preso. Entrou, empurrou minha esposa grávida e veio para cima de mim. Falou ‘você está preso, vagabundo’ e tentou me pegar”, relatou.

O delegado Luiz Tonini informou que o dentista chegou a ser conduzido pelo policial para a delegacia, mas que foi liberado. Segundo ele, um procedimento investigatório apura tanto um possível abuso de autoridade por parte do policial, como suposto crime de maus-tratos de animal que teria sido praticado pelo dentista.

“Eles foram ouvidos e tudo está sendo devidamente apurado, tanto a situação onde houve a condução do dentista, por suposto maus-tratos a um animal, que foi o que desencadeou toda aquela discussão, como o suposto abuso de autoridade. São dois procedimentos de investigação que podem desencadear em Termos Circunstanciados de Ocorrência”, explicou Tonini.

Agressões

Ainda segundo o dentista, o policial empurrou o rosto da mulher dele, que está com gravidez de risco, e a insultou chamando de vagabunda. Após alguns minutos, outras pessoas entraram na casa, inclusive um segundo policial.

“Pedi calma, ele falou ‘calma o cacete’, pegou meu braço e me levou à força para fora. Disse que ia para a delegacia, eu disse que ia, e perguntou ‘tu aguenta um tapa na tua cara, vagabundo?’. Quis tirar minha camisa, pediu para eu tirar e sentar na calçada de cabeça baixa. Pedi respeito, que não era nenhum vagabundo. Minha mulher saiu e ele ainda discutiu com ela”, complementou.

Nas imagens, a mulher aparece pedindo para o policial, que segura uma taça com alguma bebida dentro, não apontar o dedo para o rosto dela. O homem aparece alterado, fala que estava trabalhando, e foi tirado do sério. Ele ameaça prender a mulher.

“Disse que ia na delegacia registrar um boletim. Ele me deu uns quatro socos, me empurrou e colocou dentro do carro. É visível que estava bebendo, deu para sentir o hálito dele, ficou quase cuspindo no meu rosto. Ficou me xingando dentro do carro, fiquei até com medo de me levar para outro lugar”, relatou o dentista.

Na delegacia, Hassem revelou que foi liberado e orientado a retornar no dia seguinte. Ele retornou e registrou um boletim de ocorrência por invasão e agressão contra o policial. O dentista acrescentou que a mulher dele chegou a passar mal no dia seguinte.

“Tinha muita gente com eles, estava com algumas mulheres. Parece que quando fomos para fora ele quis me humilhar, mas não esbocei nenhuma reação, quis me bater, me chamou para briga. Foi muito agressivo. Tem momentos em que lembro que me bateu, insultou eu e minha mulher, fico pensando, não dormimos na noite que aconteceu”, lamentou.

Com informações do Portal G1 Acre.