Em cartas ao Papai Noel no AC, crianças pedem cadeira de rodas: ‘meu sonho é poder andar’

Muitas crianças aproveitam o Natal para pedir brinquedos ou aparelhos eletrônicos para diversão, mas, este ano, uma cartinha específica comoveu os servidores dos Correios, que recebem pedidos na campanha Papai Noel dos Correios, em Rio Branco.

Redigida pela professora da escola, o pedido da pequena Thalya Costa, de 4 anos, é ter uma cadeira adaptada para poder ter mais qualidade de vida na escola e também em casa. Atualmente, ela precisa usar uma cadeira improvisada, que o cinto de segurança é uma fralda de tecido.

Filha de pais humildes da zona rual de Rio Branco, os professores decidiram escrever uma carta em nome da menina, contando a história e o desejo dela.

Na carta, a professora Palmira Freire conta que a menina é diagnosticada com holoprosencefalia, que é uma anomalia caracterizada pela falta de divisão do lóbulo frontal do cérebro do embrião para formar os hemisférios cerebrais bilaterais, causando defeitos no desenvolvimento da face e na estrutura e também no funcionamento do cérebro.

Além disso, ela tem um cisto aracnóide. A professora digitou a carta e enviou à sede dos Correios na capital, onde pode ser adotada por um padrinho até a sexta-feira (13). As outras cartas da campanha foram adotadas pelo governador do Acre, Gladson Cameli e, por isso, os Correios receberam mais cartas de escolas da zona rural da cidade.

Dentro do ônibus escolar, que faz o transporte dos alunos, Thalya precisa ir no colo do monitor, porque não tem equilíbrio para sentar sozinha.

Durante o texto, a professora Palmira conta que a mãe da menina anda com ela por cerca de 1,5 km até chegar no ponto de ônibus.

“Meu sonho nesse Natal é poder andar e correr por todos os lados com meus colegas, mesmo que seja sobre quatro rodas. Por isso, Papai Noel, me ajude. Preciso de muitas coisas, mas, o meu sonho é uma cadeira adaptada e, se você não puder me dar uma cadeira, pode ser uma boneca que não tenha cabelo e nem peças pequenas para eu poder brincar com segurança”, finaliza carta.

A professora conta que a menina gosta muito de brincar com os colegas da escola, mas fica limitada porque não tem uma cadeira apropriada. “A ideia foi ajudar a família e a Thalya a ter uma cadeira para que ela possa se locomover melhor, porque ela adora brincar com os colegas”, conta.

A reportagem tentou ouvir a família da menina, mas, por eles morarem na zona rural, não conseguiu. Porém, a escola afirmou que teve autorização para divulgar a carta e também as fotos da menina.

Pedido ao amigo

Outra cartinha que emociona é a do pequeno Caio, de 11 anos. Escrita à mão, a mensagem pede uma cadeira de rodas não para ele, mas para o amigo.

“Eu não preciso de nada, graças a Deus, mas tenho um amigo que caiu de moto. Ele estava andando na moto quando o carro encostou nele e fez ele cair no cão, então, ele rolou em torno de 4 metros. Ele ficou vivo, mas precisa de ajuda para andar, então, o senhor poderia dar uma cadeira de rodas”, conta.

O menino diz ainda que a família dele trabalha com plantio e que, por isso, não consegue dar a cadeira de rodas ao amigo. “Eu vou entender se o senhor não puder atender o pedido”, finaliza.

As duas cartinhas ainda podem ser adotadas na sede dos Correios em Rio Branco até sexta-feira (13).

  • Com informações do Portal G1.