Em Cruzeiro do Sul mais de 90% do público-alvo já foi vacinado contra gripe

Com a meta de vacinar 22 mil pessoas até do final da campanha contra a gripe, que se encerra no fim deste mês, o município de Cruzeiro do Sul, interior do Acre, já atingiu mais de 95% do público-alvo nesta quinta-feira (9).

A campanha de vacinação contra a influenza teve início no dia 10 de abril na segunda maior cidade do Acre. Para alcançar o público, o município colocou vacinas à disposição nas 27 unidades básicas de saúde e enviou equipes para as comunidades rurais e ribeirinhas, além de montar pontos estratégicos de vacinação em locais de maior movimentação de pessoas.

Com isso, o município conseguiu vacinar, até a manhã esta quinta-feira, 21.269 mil pessoas. O coordenador do Programa Nacional de Imunização avalia que na próxima semana, as equipes de vacinação devem atingir 100% do público-alvo.

“Temos que vacinar ainda mais de mil pessoas e estamos com o objetivo de concluir até o dia 15 deste mês. Tudo indica que vamos alcançar, porque há um esforço de nossas equipes para isso”, afirma Rocha.

De acordo com o coordenador, na cidade ainda existe um estoque de vacinas para imunizar todas as pessoas dos grupos prioritários. Segundo ele, se a meta for alcançada com antecedência, ainda existe um estoque de 3,5 mil em reserva que deve ser enviado pela Regional de Saúde, que serão aplicadas em outros grupos.

“Depois que concluirmos os grupos prioritários, vamos dar prioridade para as instituições que trabalham com público, por exemplo, a prefeitura e secretarias, onde há uma grande concentração de pessoas. Há também a possibilidade de liberar nas unidades também para o público em geral, não deve dar para todo mundo, mas os primeiros que chegarem devem ser imunizados”, informou.

Em Cruzeiro do Sul, oito pacientes deram entrada nas unidades de saúde com sintomas de gripe do tipo H1N1. Desses pacientes, um teve o diagnóstico positivo e dois foram descartados. Os outros cinco estão há quase dois meses aguardando o resultado dos exames.

Com informações de Mazinho Rogério, do G1.