Empresas ainda aguardam liberação do Imac para transportar combustível para cidades isoladas

Os órgãos de controle decidiram expedir licença por um prazo de 60 dias para as operações das empresas que transportam combustível para Porto Walter e Marechal Thaumaturgo, no interior do Acre.

Mas, as primeiras embarcações que seriam abastecidas no porto de Cruzeiro do Sul, na manhã desta sexta-feira (12), ainda não foram liberadas para levar o produto para as duas cidades, pois ainda aguardam a licença do Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac).

Porto Walter fica a um dia de barco de Cruzeiro do Sul, de onde é levado o combustível que abastece a cidade e Marechal Thaumaturgo, fica a quatro dias de viagem.

Por conta a explosão de um barco que matou 6 pessoas e deixou 12 feridos, os órgãos de controle e fiscalização proibiram o transporte de produtos inflamáveis para as duas cidades em pequenas embarcações.

As duas cidades são abastecidas apenas por via fluvial e há mais de um mês sem receber combustível, os prefeitos dos dois municípios alegam que os serviços essenciais estão comprometidos.

As aulas nas escolas rurais foram suspensas por falta de combustível para o transporte escolar, os serviços de limpeza pública estão parados, as operações de recuperação de ramais também foram interrompidas e as equipes de saúde deixaram de visitar as comunidades.

Na audiência pública de quarta-feira (10), realizada em Cruzeiro do Sul, a Agência Nacional de Transporte Aquaviário (Antaq), a Agência Nacional de Petróleo (Anp), a Marinha, o Corpo de Bombeiros, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e o Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac), assinaram um termo autorizando o abastecimento das embarcações e o transporte de produtos inflamáveis por um prazo de 60 dias, com a condição de que nesse prazo as transportadoras sigam as regras de segurança.

Para as operações imediatas, foi definido um porto distante de casas e de outras embarcações e o Corpo de Bombeiros terá que fazer o acompanhamento do transbordo do produto dos caminhões para os barcos. Nesta sexta-feira (12), as primeiras embarcações estavam preparadas para receber o combustível e uma equipe de Bombeiros foi para o porto para acompanhar o procedimento que não ocorreu.

“Na audiência, todos os órgãos se sensibilizaram de dar uma licença provisória para a gente transportar. No caso, a distribuidora me ligou hoje dizendo que a gente podia comprar o produto para levar. Fiz o pedido e, no momento que os caminhões estavam carregados na base para trazer para o terreno que foi autorizado provisoriamente, na mesma hora o Imac proibiu. Agora, nós estamos aqui esperando e tendo prejuízos”, alega do dono de embarcação, Ailton Abreu.

Segundo o sargento Iranilson Neri, o Corpo de Bombeiros, disse que ninguém dos outros órgãos compareceu.

“Esse seria o primeiro abastecimento para essas duas cidades, nós estamos aqui aguardando e até o momento ninguém dos outros órgãos compareceu e estamos aguardando a decisão do comando para retornar ao quartel”, disse o sargento.

O gerente do Imac, Levi Bezerra, disse que o órgão aguarda a liberação da licença da sede em Rio Branco para autorizar o abastecimento das embarcações.

“Isso se trata em razão de um retardo da empresa proprietária do local de embarque que é requerente para o processamento. Ela demorou a apresentar a documentação o que consequentemente resultou na morosidade na expedição. No entanto, foi apresentado na tarde de ontem o requerimento junto com documentação e encaminhamos para Rio Branco, onde tem o órgão responsável por emitir a autorização e a licença deve está sendo expedida em questão de horas”, garantiu o gerente do Imac.

Por Mazinho Rogério