Filha de Antônia Lúcia, magoada por não ter sido nomeada, vai à jugular de Gladson

Gabriel Câmara, mesmo sendo filha de quem é, diz que o governador do Acre “tem orgulho da própria ignorância e que não sabe o que é ser estadista”.

As entrevistas do governador Gladson Cameli a vários órgãos de comunicação a despeito dos seus seis meses de Governo, comemorados nesta segunda-feira (1), continuam a render. A respeito de uma dessas entrevistas, ao apresentador Edvaldo Souza, da TV Gazeta, em Rio Branco, a radialista Gabriel Câmara veio à jugular de Gladson Cameli como fosse ela um exemplo de retidão de caráter e exemplo a ser seguido.

A filha do deputado federal Silas Câmara, um polêmico pastor da Assembleia de Deus e que vive de fazer política e da não menos polêmica Antônia Lúcia, ilustre cidadã amazonense que faz política no Acre e que por aqui já angariou pelo menos um mandato de deputada federal, disse que achava que o governador não seria mais capaz de surpreendê-la, mas, segundo ela, “ele se supera e solta umas máximas piores que as anteriores”.

A declaração foi feita em cima de uma declaração de Gladson Cameli a Edvaldo Souza, a respeito de quem é besta ou não. De acordo com Gabriela, o governador Gladson Cameli, ao ouvir o relato que na política não tem ninguém mais besta, ele, “com orgulho da própria ignorância de quem não entende o que é ser um estadista” disse: “O mais besta sou eu, que sou O Governador”.

Para a garota que quer substituir Antônia Lúcia na política acreana, a declaração de Gladson Cameli foi uma “resposta zombeteira, permeada de ironia e de uma vil congratulação por ter se igualado aos demais”. Para ela, Gladson se nivela por baixo ao admitir o jogo das espertezas da velha e arcaica política. “Que pena que Gladson Cameli sequer tenha amadurecido antes de envelhecer podremente, como os velhos caciques da política que se congratulam por suas espertezas que sempre deixam a população em maus lençóis”, disse.

Para a filha de Silas Câmara, “não deveria haver qualquer tipo de regozijo em Gladson Cameli ao reconhecer que é tão “espertinho” quanto os outros. Tudo que os acreanos não queriam era um governador que se igualasse à escória da política, que caísse na vala comum com tanta alegria”. E acrescentou: “Estamos todos cansados da política que premia espertalhões, enaltece malandragens, agracia com cargos em comissão chantagistas, oportunistas e todo espécime de gente suja e sem ética”.

Candidata derrotada em várias disputas e chateada por não ter sido contemplada com cargos no governo de Gladson Cameli, Gabriela Câmara dispara: “Naquela entrevista vi um jovem governador, de 40 anos, com apenas seis meses de mandato, ser vencido pelo sistema. Na vala comum. Junto aos demais medíocres. Hoje Gladson foi a representação do cansaço do homem, inominado, citado por Rui Barbosa em seu memorável discurso: “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”.

Gabriela conclui sua publicação em suas páginas de redes sociais dizendo que “só temos a lamentar, pois nunca quisemos um governador “espertinho”, cheio dos vícios da malandragem do submundo. Queremos o governador que nos foi prometido: jovem, incansável, cheio de sonhos, indobrável diante das lutas e pressões”, afirmou.

Confira a publicação:

loading...