Gladson propõe visita de membros do GCF ao Acre para analisar potencialidades da piscicultura

A agenda do governador Gladson Cameli e a delegação do Acre na reunião anual do GCF – Governadores para Clima e Florestas, ocorrida na manhã desta quarta-feira, 01, em Caquetá, na Colômbia, marcou o início do diálogo da nova gestão estadual com membros-fundadores da Força-Tarefa que reúne 38 estados de cerca de dez países compromissados com o desenvolvido econômico e social aliado à preservação ambiental.

Na primeira programação, realizada na sala de reuniões do Hotel Caquetá Real, Gladson Cameli participou do encontro sobre Estratégia Pan-Amazônica para promover uma maior produção de peixe e o sistema “Tropical Forest Champions” para fomentar parcerias entre empresas e governos regionais.

Acompanhado da primeira-dama do estado, Ana Paula Cameli, do chefe da Casa Civil, Ribamar Trindade, do secretário de Estado de Meio Ambiente, Israel Milani, e outros membros da delegação, Cameli ressaltou a importância do tema e explanou as condições da piscicultura no Acre. A Fábrica Peixes da Amazônia foi apresentada como a representação de um alto investimento para o estado, mas encontra-se paralisada.

Gladson, que assumiu o governo do Acre no dia 1 de janeiro, fez um convite para que os membros do GCF presentes na reunião, entre eles representantes do México, Equador, Peru, Indonésia, Colômbia, Bolívia, Califórnia e outros, conheçam as práticas de fomentação e estudem a possibilidade de parcerias com a iniciativa pública.

Cameli convidou para que os membros do GCF presentes na reunião, conheçam as práticas de fomentação e estudem a possibilidade de parcerias com a iniciativa pública. (Fotos: Diego Gurgel/Secom)

“Este é um desafio que lanço aqui porque entendo que o estado do Acre tem potencial para produzir, e produzir com responsabilidade ambiental. Precisamos encontrar saídas para superar uma crise que atinge milhares de pessoas e não podemos mais admitir que um estado com tantos recursos naturais e tanto compromisso com as baixas emissões de carbono não ofereça dignidade a sua população, principalmente as tradicionais”, disse Gladson Cameli.

Discutindo as possibilidades de ampliação e modernização do complexo de piscicultura Peixes da Amazônia, Cameli frisou que foram investidos cerca de R$ 80 milhões de reais de recursos de operações de crédito e outras fontes de recursos externos. “O Acre produz mais de 7 mil toneladas de peixe ano, movimentando em torno de R$ 40 milhões de reais. Foram construídos cerca de 5.700 tanques. Possuímos ainda um parque industrial para produção de ração, e por isso se faz necessária essa parceria público-privada uma vez que o estado não tem condições de oferecer manutenção a este tão importante empreendimento”, disse o governador.

Gladson saiu entusiasmado da reunião com os membros do GCF e disse que o Acre está aberto para o diálogo, pois conta com uma população, principalmente as tradicionais como seringueiros, ribeirinhos e indígenas, dispostos a apresentarem as potencialidades dos produtos da Amazônia brasileira.

Por Mirla Miranda – Secom