Homem que jogou água fervendo em partes íntimas de ex-mulher tenta liberdade

Após quase três meses, o ex-marido da cuidadora de idosos Agerlândia Miranda, Jessé Saldanha Nogueira continua preso. Ele é acusado de jogar água fervendo em cima da mulher, que teve queimaduras de terceiro grau nas pernas e partes íntimas. A agressão teria sido motivada por ciúmes.

No último dia 17, houve uma audiência e a sentença deve sair nos próximos dias. Enquanto isso, a defesa de Nogueira tenta a revogar a prisão preventiva dele. Nogueira permanece preso na unidade Evaristo de Moraes, em Sena Madureira.

 Mulher diz que o suspeito escolheu local onde iria jogar água fervendo  — Foto: Arquivo pessoal

Mulher diz que o suspeito escolheu local onde iria jogar água fervendo — Foto: Arquivo pessoal

O caso aconteceu no dia 12 de fevereiro em Sena Madureira, interior do Acre, durante uma briga do casal. No dia 24 de fevereiro, a Polícia Civil do Acre pediu a prisão preventiva de Nogueira após um laudo apontar que a vítima sofreu lesões graves.

O Ministério Público do Acre (MP-AC) denunciou o suspeito por lesão gravíssima. A denúncia, assinada pela promotora Juliana Barbosa Hoff, da Promotoria de Justiça Criminal, pronuncia Nogueira por lesão gravíssima devido à “deformidade permanente”.

Defesa

O advogado de Nogueira, Márcio Vasconcelos, alegou que não existe um laudo confirmando a deformidade apontada pelo MP-AC. A defesa quer ainda derrubar uma das qualificadores do crime, que diz que a lesão resulta na incapacidade por mais de 30 dias.

“Com 20 dias voltou a trabalhar e ela disse isso na audiência. Então, pedi a desclassificação do crime para lesão corporal leve”, explica.

O advogado acrescentou também que fez um pedido de revogação de prisão. Segundo ele, o cliente alega que foi se defender durante a briga quando a água caiu nas partes íntimas da mulher.

“Ele está super arrependido. Mas, a versão dele não mudou em nada. Disse que ela que foi pra cima dele e a água acabou caindo”, explica.

A versão do suspeito é que ele tinha esquentado água para jogar em uma casa de formiga, quando a mulher chegou e iniciou uma discussão. O advogado disse que foram juntadas imagens e depoimentos, inclusive, das crianças que comprovam a versão do suspeito.