Latam deve pagar mais de R$ 30 mil a promotor por cancelar voo de equipe de humorista que faria show no Acre

A empresa aérea Latam Airlines deve pagar mais de R$ 30 mil a um promotor de eventos do Acre. O promotor teve que cancelar uma apresentação do humorista Marcus Majella e devolver o dinheiro dos ingressos porque o voo que iria trazer os atores e parte da equipe do humorista foi cancelado.

Na época, o comediante chegou a fazer uma postagem em uma rede social explicando a situação e falando que a apresentação seria remarcada. Ele faria duas apresentações no Acre do espetáculo ‘Desesperados’.

Majella se apresentaria no dia 2 de dezembro de 2018 no Teatro Plácido de Castro, o Teatrão, em Rio Branco. Porém, no dia 1º, ele publicou o comunicado informando que toda a equipe do espetáculo não conseguiu embarcar do Rio de Janeiro (RJ) para Rio Branco, pois todos os voos noturnos que sairiam do Aeroporto Santos Dumont tinham sido cancelados.

As apresentações chegaram a ser remarcadas para o dia 11, porém, a equipe não conseguiu voo na data. Com isso, os shows foram cancelados em definitivo e o dinheiro dos ingressos foram devolvidos.

Prejuízos

O promotor de evento, que pediu para não ter o nome revelado, falou que a equipe do humorista sairia do Rio de Janeiro, no final de novembro, em uma sexta-feira, e o artista no domingo.

O voo da equipe faria uma parada em São Paulo (SP), depois em Brasília (DF) e logo em seguida seguiria para Rio Branco. Só que, segundo o promotor, a Latam cancelou o voo da equipe no Rio de Janeiro alegando uma tempestade em São Paulo e não remarcou um novo voo.

“A produção vinha na sexta, quatro deles sairiam do Rio de Janeiro e os outros viriam no domingo em um voo de outra empresa. O show seria no domingo, mas o voo não decolou do Rio de Janeiro. A Latam não pousa e nem decola em Rio Branco em um sábado, não abriu uma exceção e não realocou os passageiros”, relatou.

Com isso, o promotor precisou cancelar o show de stand-up, devolveu o dinheiro de todos os ingressos vendidos e teve que se desculpar com o artista. Ele explicou que já tinha vendido todos os ingressos de uma sessão com mais de 400 lugares e metade dos ingressos de outra sessão.

Diante do prejuízo, o promotor procurou a advogada Mirthaila da Silva e entrou na Justiça para ser ressarcido pela companhia aérea.

“Tive que devolver todo o dinheiro. Tentamos fazer o show em uma terça, mas não tinha mais voo para Rio Branco na época. Entramos com uma ação apresentando tudo porque perdi dinheiro. Esse dinheiro que está entrando agora seria para pagar o artista e ter algum lucro. Estava com uma sessão lotada e aberta uma segunda sessão”, lamentou.

Sentença

A decisão é dos juízes de direito da 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais da Comarca de Rio Branco e resultado de um recurso da empresa aérea.

A Justiça determinou que a empresa deve pagar R$ 27,3 mil pelo lucro que o promotor teria com a venda dos ingressos do evento. Outros R$ 4,63 mil por danos emergentes e R$ 1 mil por danos morais.

O juiz-relator do caso, José Wagner, destacou na sentença que “impossibilidade de embarque na cidade de origem e, por conseguinte, de apresentação da peça no local de destino gerou danos materiais e lucros cessantes comprovados. Danos morais configurados.”

Com informações do Portal G1.