Marechal Thaumaturgo avança em políticas públicas destinadas a crianças e adolescentes

Membros da Comissão Intersetorial do Selo Unicef do município de Marechal Thaumaturgo, da Prefeitura e das secretarias de Educação e Saúde participaram nesta terça-feira, 15, de uma reunião em que foi apresentada a avaliação da linha de base disponibilizada pelo selo Unicef referente ao ano de 2017.

O presidente do conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, João Paulo Cunha, afirma que o município tem avançado com relação a implantação de políticas públicas destinadas à juventude, apesar de ainda ter muito o que crescer.

“Teremos até 2020 para realizar todos esses desafios, que no total são mais de 20. São metas que vão melhorar o diagnóstico do município no quesito ao atendimento a criança e ao adolescente e, com certeza, trazer uma maior visibilidade para a cidade”.

O selo é um reconhecimento internacional dado aos municípios por avanços nas áreas de saúde, educação, proteção e participação social em direção à redução das desigualdades que afetam as vidas de crianças e adolescentes de até 17 anos de idade.

“Se analisarmos no cenário geral, estamos muito bem, estamos entre os municípios do Acre que possuem o selo Unicef. A tendência é melhorar. São três anos de trabalho com a finalidade de preservar o direito da criança e do adolescente e desenvolver políticas públicas para que possamos ter o município com questões igualitárias para todos os públicos”.

O prefeito Isaac Piyãko destaca o esforço do município para continuar avançando em todos os indicadores, além de cumprir seu papel constitucional alcançando resultados positivos por meio de políticas públicas efetivas.

“Estamos sempre discutindo as metas a serem alcançadas, fazendo avaliação dos dados. Manter o selo é de extrema importância para essa valorização internacional de políticas públicas voltada para a juventude do nosso município. O meu grande desafio, como prefeito, é administrar o município. Fazer com que as políticas públicas não fiquem apenas no dia a dia, mas que sejam registradas e colocadas em prática”, conclui.