Na capital, idoso é atropelado por caminhão do Exército e fica em estado grave

Um pedestre, identificado como Algenir Guterres, foi atropelado por um caminhão do 7° Batalhão de Engenharia de Construção (7° BEC), na Estrada Dias Martins, em Rio Branco. A vítima atravessa a via, quando foi atingido pelo caminhão, nesta quinta-feira (1).

O 7º BEC afirmou que vai se posicionar sobre o acidente por meio de nota, ainda nesta quinta.

Atendimento

Uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) esteve no local e encaminhou a vítima em estado gravíssimo para o Hospital de Urgência e Emergência (Huerb).

O médico e coordenador do Samu, Pedro Pascal, explicou que o pedestre estava sem documentação, e usava apenas um cartão de ônibus no nome de Algenir Guterres. Ainda segundo Pascal, o pedestre aparenta ter entre 60 a 70 anos.

A via é a mesma onde ocorreu um acidente de trânsito, em maio, que vitimou Silvinha Pereira. A moto que Silvinha estava com o marido foi atingida pelo carro dirigido pelo PM Alan Martins.

Caminhão do 7º BEC permaneceu no local após acidente nesta quinta-feira (1) — Foto: Wilamis França/Arquivo pessoal

Caminhão do 7º BEC permaneceu no local após acidente nesta quinta-feira (1) — Foto: Wilamis França/Arquivo pessoal

“É um paciente gravíssimo, teve sinais de hemorragia intracraniana, estava bem debilitado, teve que ser entubado e fazer umas medicações dentro da ambulância. Tem um risco grande”, reforçou.

Pascal acrescentou que a ambulância que fez o atendimento da vítima é de suporte avançado. A vítima bateu a cabeça no canteiro central da via. “Até nossa saída não apareceu ninguém lá”, ressaltou.

Perícia

O perito da Polícia Civil Haley Vilas Boas esteve no local para atender a ocorrência. Segundo ele, os laudos devem apontar como ocorreu o acidente. O perito acrescentou também que o local não tem faixa de pedestre e requer bastante atenção ao fazer a travessia.

“Temos ver a questão da intensidade do trânsito, a questão da visibilidade. Não temos faixa de pedestre próximo do local, então, temos que ter, tanto condutores de veículos como os pedestres que vão fazer a travessia, a cautela devida para que eventos dessa natureza não ocorra”, reforçou.

Por Aline Nascimento G1