“Não sei se continuarei na liderança e minha esposa não volta para o governo”, diz Tchê

Um dos deputados mais experientes do Legislativo acreano, Luiz Tchê (PDT) vive atualmente um dos seus piores momentos políticos e ainda não sabe se continua ou se entrega a liderança de Gladson Cameli (PP) na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) após ele ter demitido 340 pessoas indicadas por deputados da base.

Em entrevista à Folha do Acre concedida no último sábado (21), Tchê afirmou que aguardará uma reunião com a base e com o próprio governador antes de decidir seu futuro como líder.

“A gente ainda precisa conversar muito. Todos nós, base, governo. Porque eu mesmo, deputados Nicolau e Gonzaga estivemos com ele e ele disse que poderíamos orientar pela derrubada dos vetos, mas depois veio a surpresa das exonerações. Eu preciso saber o que dizer a base como líder. Explicar o que aconteceu”, diz.

A respeito da exoneração da esposa, Nara Schafer, Tchê diz que ela não voltará ao governo.

“Ela não voltará se houver convite. Ela mesmo decidiu isso. Ficou abalada. Quem a conhece sabe o tanto que ela é seria, dedicada, tecnicamente preparada, jamais deixou a desejar como prisional e foi pega de surpresa pela exoneração. Lógico que a pessoa fica abalada emocionalmente”, diz.

Por Gina Menezes.