Nejmi Aziz, ex-primeira-dama do AM, é presa em operação da Polícia Federal

A ex-primeira-dama do Amazonas, Nejmi Aziz, foi presa temporariamente na manhã desta sexta-feira (19), em Manaus, durante a Operação Vertex, uma nova fase da Operação Maus Caminhos, que investiga a prática de crimes de corrupção passiva, lavagem de capitais e a existência de uma organização criminosa que desviou recursos milionários da Saúde do Amazonas. Além dela, os seus cunhados, irmãos do ex-governador e atual senador Omar Aziz, foram presos. São eles: Amim, Murad e Mansour, além de um homem identificado como Josenário, ex-chefe do gabinete de Omar, e um PM chamado Ricart Campos.

Todos foram encaminhados para a Superintendência da Polícia Federal do Amazonas, localizada no bairro Dom Pedro, na Zona Centro-Oeste de Manaus. Uma coletiva deve ser realizada no local para divulgar detalhes da operação.

O objetivo da PF era cumprir 09 mandados de prisão temporária, 15 mandados de busca e apreensão, 18 mandados de bloqueios de contas de pessoas físicas e jurídicas (aproximadamente 92,5 milhões de reais), 07 mandados de sequestro de bens móveis e imóveis, expedidos pela Justiça Federal, que, após parecer do Ministério Público Federal, deferiu representação do Delegado de Polícia Federal que preside a investigação.

Conforme noticiado pelo Portal A Crítica mais cedo, carros da Polícia Federal estavam nesta manhã em frente ao condomínio Efigênio Sales, localizado no bairro Aleixo, na Zona Centro-Sul de Manaus. O líder da bancada do Amazonas no Congresso e presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no Senado, Omar Aziz, marido de Nejmi, mora no local junto com Nejmi e família.

Em 2018, a ex-primeira dama e o marido foram citados por uma delatora na investigação da Operação Maus Caminhos. Omar negou parentesco com Mouhamad Moustafa, principal alvo da primeira fase da operação, ocorrida em novembro de 2016. Nenhum dos dois chegou a ser preso.

Também em 2018, o empresário Murad Aziz, cunhado de Nejmi, entregou-se à Polícia Federal. Ele era procurado desde a manhã do dia 11 de outubro e era um dos alvos principais da operação Cashback, desdobramento da Operação Maus Caminhos, deflagrada pela Polícia Federal. Ainda em outubro, ele foi solto após a Justiça acatar o pedido de habeas corpus da defesa.

Fortuna declarada

Então candidata ao cargo de deputada estadual pela primeira vez, a ex-primeira-dama Nejmi declarou, ano passado, um patrimônio de R$ 30.329.324,86 (trinta milhões, trezentos e vinte e nove mil, trezentos e vinte e quatro reais e oitenta e seis centavos). A declaração consta no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A plataforma é alimentada com dados fornecidos pelo próprio candidato.

O patrimônio declarado por Nejmi Aziz superou à soma de todo o patrimônio dos seis candidatos ao governo do Estado. O governador Amazonino Mendes (PDT) possui R$ 3,4 milhões em bens; Omar Aziz (PSD) R$ 1,5 milhão; David Almeida (PSB) R$ 582 mil; Sidney Cabral (PSTU) R$ 163 mil; “Berg da UGT” (PSOL) R$ 65 mil; e Wilson Lima (PSC) R$ 55,9 mil. A soma total chega a R$ 5,7 milhões.

  • Com informações de Acrítica.