O Parlamento – Que siga o jogo, CPI da Energisa está garantida

A história desta quarta-feira, 17, na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) foi contada por muitos gritos, tapas na mesa e na tribuna e um bocado de estudo do regimento interno. Talvez o estudo precise ser feito um pouquinho mais. Mas, enfim, o requerimento para abertura da CPI da Energisa foi publicado pelo presidente da Casa, o deputado Nicolau Junior (Progressistas).

PARA QUE TANTA MANOBRA?

Em menos de 30 minutos de sessão aberta, já foi suspensa para a primeira briga. Lê ou não os requerimentos. Mas, o que os parlamentares mais se perguntavam é o porquê de tanta movimentação, da base do governador Gladson Cameli, para não deixar abrirem as investigações.

ESTRATÉGIA FURADA

Parece que a estratégia que foi traçada na terça-feira, no café da manhã do vice-governador Major Rocha com os parlamentares da base, na Casa Civil, não deu tanto resultado. A não ser que eles queriam mesmo era botar o nome de Gladson na boca da população que está pagando energia cara. Porque, a plateia que estava na Aleac nestes dois últimos dias, hora gritava contra Tchê, hora contra Bestene, mas falava mesmo era o que o Gladson tem contra o povo.

FORA DA FESTA

Rocha só esqueceu de chamar os parlamentares do MDB, Roberto Duarte e Meire Serafim para tratar do diálogo entre governo e parlamentares, que supostamente, seriam base. Os dois adotam uma posição independente, já prevendo a instabilidade política da atual gestão estadual.

DUARTE VS TCHÊ

O cenário de ausência total de liderança na base trouxe à tona uma briga, de discurso, entre os deputados Luiz Tchê (PDT) e Roberto Duarte (MDB). O peedetista chegou a falar que Duarte integrava um partido de quadrilheiros, que estavam todos presos. Este, por outro lado disse que não traria a disputa para o lado pessoal, e questionou porque em 2014, Tchê queria a CPI da Eletroacre, e hoje é contra a da Energisa.

MAIS EMBATE

Duarte não deixou só por isso a troca de farpas com Tchê, que chamou o emdebista de gatinho perante o governo e um leão na Aleac. “Nunca fui um gatinho para o governo, como você, Tchê, porque nunca fui governo”, disse Duarte. E falou que quer ver o resultado de todos as CPIs protocoladas pela base hoje, ironizando o trabalho de Tchê quando presidente de diversas comissões: “Porque nenhuma das que você presidiu deu resultado [Tchê]”.

CPI NO BALDE

A proposição de diversas comissões de investigação, foi a manobra achada pela base. De ontem para hoje, foram apresentadas, e aceitas, de imediato pela Mesa Diretora, seis pedidos de CPI: do Huerb, Pró-saúde, Peixes do Juruá, Detran, Fábrica de Piso de Xapuri. Duarte faz um bom comentário: “Foi mais uma forma que o governo achou de trancar essa investigação nas contas de energia”.

MANDANDO UM RECADO

Essa sequência de trapalhadas e insegurança dos parlamentares de situação, mostrou que Gladson precisa firmeza com os seus. Tchê entrou no cenário: “Eu apoio o Gladson, eu sou governo. Mas não tenho aqui poder para negociar, não sou líder”. Pareceu bem um recado.

RASTEIRA INÉDITA

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) não perdeu a oportunidade de tirar onda com a confusão de seus colegas. Após conseguir uma boa vitória, apontando o regimento como base, soltou: “Já vi muita coisa nesta Assembleia, mas rasteira de líder é a primeira vez”. Vale lembrar que, Gerlen Diniz (Progressistas) não compareceu em nenhuma das sessões esta semana.

MESA CORRETA

Uma coisa há de se apontar. Teve briga para todo lado, mas a Mesa ouviu todo mundo, consultou o máximo que pode o regimento, seguiu todos os processos e decidiu corretamente. O presidente Nicolau Junior (Progressistas) bateu o martelo e mandou publicar a abertura da CPI da Energisa.

O JURUÁ QUER SABER

O Juruá em peso quer saber, por que alguns de seus parlamentares simplesmente esqueceram de apoiar a CPI da Energisa? Josa da Farmácia não poderá sair pelas ruas por alguns dias, ou meses. O povo não perdoa quem não luta contra algo tão absurdo, quanto os preços da energia no Acre.

FRASES DO DIA

“Quão largos são os braços da Energisa? Vamos fazer um acordo, escolha duas CPIs e vamos debater. Mas que a da Energisa seja a primeira. Tem o testemunho de toda a população do Acre” – Edvaldo Magalhães (PCdoB)

“Não tenho medo de grito, não nasci de susto. Hoje estou do lado do Gladson Cameli, mas fui eleito na Frente Popular” – Luiz Tchê (PDT)

“A CPI está garantida” – Nicolau Junior (Progressistas)

“O governador do Estado está jogando seus deputados n’água. Por que está querendo forçar tanto a barra contra CPI?” – Jenilson Leite (PCdoB)

“Vamos ter que colocar a mesa sob suspeição. O governo está sangrando e vai sangrar muito mais, porque atitudes dessa não se fazem. Se [esse ataque pessoal] for a mando do governo, diga que estou preparado!” – Roberto Duarte (MDB)

“Eu também assinei a CPI da Energisa, meu nome está lá” – Luiz Gonzaga (PSDB)

“Não vejo problema em a gente jogar com o regulamento debaixo do braço. Ele assegura mecanismos de obstrução, para que se ganhe tempo, para que se retire determinada matéria da ordem do dia, para que se inverta uma pauta. Faz parte do jogo” – Daniel Zen (PT)

 

Fotos: Sérgio Vale