Samu orienta quando se deve acionar o serviço móvel de urgência

Agressão por arma de fogo ou arma branca; afogamentos; choque elétrico; acidentes com produtos perigosos; suspeita de infarto ou AVC; queimaduras graves; trabalhos de parto em que haja risco de morte da mãe ou do feto; tentativas de suicídio, entre outras situações consideradas de urgência ou emergência, com risco de morte, sequela ou sofrimento intenso.

Essas são as situações em que se deve acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu-192), que também atende urgências em situações de natureza clínica, cirúrgica, traumática, pediátrica, psiquiátrica, entre outras. O Samu é um serviço de saúde que funciona 24 horas por dia, atendendo a população no socorro e encaminhamento às unidades hospitalares. Para entrar em contato, basta o cidadão ligar 192, a ligação é gratuita e pode ser realizada por qualquer telefone fixo ou móvel.

O serviço reúne médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e socorristas, que podem prestar socorro em qualquer lugar, seja na residência, local de trabalho ou vias públicas. Ao ligar, o cidadão é atendido por um profissional treinado na Central de Regulação Médica de Urgência que fará perguntas para iniciar o socorro. Neste momento é importante estar junto à vítima, como explica o médico Pedro Pascoal, coordenador estadual do Samu.

“Possuímos médicos 24 horas nas centrais de regulação, onde são realizadas as orientações ao solicitante de como proceder. O profissional classifica as chamadas e despacha as ambulâncias quando identificado às situações de urgência. O que acontece é que todo e qualquer agravo à população acaba entrando em contato com a central solicitando ambulância em situações como diarreia, dores crônicas, troca de sondas, infecção de urina e febre prologada. Situações essas em que não levam o paciente a ter riscos de morte, sendo possível o transporte em veículo particular, o que caracteriza que não são ocorrências classificadas para o Samu. Situações que resultam em grande número de chamadas, de 200 a 250 ligações por dia. Por isso é importante que a população tenha ciência que o Samu está para atender paciente sem pré-julgamento, independente da classe social, religião ou crença desde que seja situação de urgência.”, pontua.

De janeiro a dezembro de 2019 a central responsável pelo atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU- 192) recebeu quase 80 mil ligações, mas 46 mil, mais da metade das chamadas recebidas, não eram destinadas ao serviço. Por isso, é importante saber em quais situações chamar uma ambulância, como orienta Pascoal.

“2019 foi um ano satisfatório, tivemos 34 mil vidas atendidas pelo Samu. Garantimos sobrevida de muita gente, com atendimento de qualidade e levando esperança aos familiares. Por isso é importante saber quando se deve acionar o Samu. O que precisa ser entendido e esclarecido muito bem é que nossas ocorrências são para urgência e emergência, situações onde o paciente corra risco de morte. Um dos problemas que mais enfrentamos, isso a nível nacional, são os trotes. Principalmente em horário de entrada e saída de escola, onde as crianças pegam o telefone para ligar para o Samu prejudicando e atrapalhando o serviço, além de por em risco quem realmente precisa do atendimento”, observa o coordenador.

Estrutura

O Serviço Móvel de Atendimento de Urgência existe há quase 16 anos no Acre, e conta com duas Centrais de Regulação de Urgência, Rio Branco e Cruzeiro do Sul e possui um projeto de incorporação da terceira central em regulação no município de Brasileia. A estrutura do Samu no Acre é formada por 18 unidades de atendimento móvel de urgência, sendo 2 unidades de suporte avançado, uma na capital e outra no Juruá.

Ao todo, são 24 ambulâncias, sendo três de suporte avançado em operação em todo o estado destinado ao atendimento de emergências médicas pré-hospitalares agudas e graves. O Samu conta com cerca de 300 profissionais, entre médicos, enfermeiros, motoristas, telefonistas e técnicos.

A população conta, também, com duas motolâncias de suporte para os primeiros atendimentos e uma caminhonete traçada utilizada em algumas situações para facilitar os atendimentos em locais de difícil acesso, como, por exemplo, os ramais, que em determinadas épocas do ano têm o acesso limitado.

Parceria que salva vidas

Durante o socorro, o Samu atua em conjunto com o Corpo de Bombeiros, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Militar, dependendo do tipo de chamado. Em casos de afogamentos, choques elétricos e em acidentes de trânsito com vítimas presas às ferragens, deve ser acionado em conjunto com os bombeiros pelo telefone 193.

Em casos de acidentados em BRs, o serviço deve ser solicitado junto com a Polícia Rodoviária Federal pelo número 191. E quando se tratar de ferimentos por arma de fogo e arma branca, o cidadão deve ligar também para o número 190 da Polícia Militar.

Além disso, o serviço também conta com a parceria do helicóptero do governo para resgatar pacientes em locais de difícil acesso no estado, graças a um convênio firmado em março do ano passado que assegurou a continuidade do serviço de resgate e transporte aéreo entre o Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e Samu – uma determinação do governador Gladson Cameli, que disponibilizou a aeronave para o suporte aéreo de pacientes em situações graves de um município para outro.

Importe destacar que as ligações para o Samu 192 somente devem acontecer se estiver diante de uma situação de emergência. Um trote pode impedir que uma vida seja salva. Abaixo algumas situações em que não se deve acionar o serviço:

Quando não chamar o SAMU 192

  • Febre prolongada;
  • Dores crônicas;
  • Vômito e diarreia;
  • Levar pacientes para consulta médica ou para realizar exames;
  • Transporte de óbito;
  • Dor de dente;
  • Transferência sem regulação médica prévia;
  • Trocas de sonda;
  • Corte com pouco sangramento,
  • Entorses;
  • Cólicas renais;
  • Transportes inter-hospitalares de pacientes de convênio;
  • Todas as demais situações onde não se caracterize urgência ou emergência médica.

Dicas para quem ligar para o SAMU 192

  • Em caso de acidente verifique a quantidade de vítimas, o estado de consciência delas e se alguma delas está presa ás ferragens;
  • Ligue para o 192 e siga as orientações do Médico Regulador;
  • Sinalize as vias com galhos de árvore e triângulo de sinalização;
  • Em caso de acidente com motos: não toque nas vítimas, não retire o capacete;
  • Não dê água aos acidentados.