Servidores dos Correios entram em greve

Os serviços dos Correios estão totalmente suspensos em todo país, por tempo indeterminado. Em cruzeiro do Sul, os servidores reivindicam melhores condições de trabalho, protestam contra a perda de direitos e contra a privatização da instituição.

“Paramos geral, pois toda a classe compreende os riscos que estamos correndo. A empresa se retirou da mesa de negociações e pela proposta deles, estamos tendo uma perda salarial de mais de R$ 200 mensais. Anualmente, isso representa a redução de mais de R$ 5 mil. Para quem já ganha pouco, isso é um absurdo”, afirmou Leandro Mateus, diretor do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) de Cruzeiro do Sul.

A Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) e a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) afirmam que a greve é geral e que todos os 36 sindicatos de trabalhadores dos Correios aderiram ao movimento.

Em nota, a direção dos Correios afirma que a paralisação é parcial e já colocou em prática um “plano de continuidade de negócios para minimizar os impactos à população”. A categoria pede reposição da inflação do período e é contra a privatização da estatal, que foi incluída no mês passado no programa de privatizações do governo Bolsonaro.